Sant´Ana - Nanã Buruquê na Umbanda -







Os dados biográficos que sabemos sobre os pais de Maria foram legados pelo Protoevangelho de Tiago, obra citada em diversos estudos dos padres da Igreja Oriental, como Epifânio e Gregório de Nissa. 

Sant'Ana, cujo nome em hebraico significa graça, pertencia à família do sacerdote Aarão e seu marido, São Joaquim, pertencia à família real de Davi. 

Seu marido, São Joaquim, homem pio fora censurado pelo sacerdote Rubén por não ter filhos. Mas Sant’Ana já era idosa e estéril. Confiando no poder divino, São Joaquim retirou-se ao deserto para rezar e fazer penitência. Ali um anjo do Senhor lhe apareceu, dizendo que Deus havia ouvido suas preces. Tendo voltado ao lar, algum tempo depois, Sant’Ana ficou grávida. A paciência e a resignação com que sofriam a esterilidade levaram-lhes ao prêmio de ter por filha aquela que havia de ser a Mãe de Jesus. 

Eram residentes em Jerusalém, ao lado da piscina de Betesda, onde hoje se ergue a Basílica de Santana; e aí, num sábado, 8 de setembro do ano 20 a.C., nasceu-lhes uma filha que recebeu o nome de Miriam, que em hebraico significa "Senhora da Luz", passado para o latim como Maria. Maria foi oferecida ao Templo de Jerusalém aos três anos, tendo lá permanecido até os doze anos. 

Pelo texto Caverna dos Tesouros, atribuído a Efrém da Síria, Ana (Hannâ) era filha de Pâkôdh e seu marido se chamava Yônâkhîr.[1]. Yônâkhîr e Jacó eram filhos de Matã eSabhrath.[1] Jacó foi o pai de José, desta forma, José e Maria eram primos.

Devoção 

A devoção aos pais de Maria é muito antiga no Oriente, onde foram cultuados desde os primeiros séculos de nossa era, atingindo sua plenitude no século VI. Já no ocidente, o culto de Santana remonta ao século VIII, quando, no ano de 710, suas relíquias foram levadas da Terra Santa para Constantinopla, donde foram distribuídas para muitas igrejas do ocidente, estando a maior delas na igreja de Sant’Ana, em Düren, Renânia, Alemanha. Seu culto foi tornando-se muito popular na Idade Média, especialmente na Alemanha. Em 1378, o Papa Urbano IV oficializou seu culto . Em 1584, o Papa Gregório XIII fixou a data da festa de Sant’Ana em 26 de Julho, e o Papa Leão XIII a estendeu para toda a Igreja, em 1879.Em França, o culto da Mãe de Maria teve um impulso extraordinário depois das aparições da santa em Auray, em 1623. 

Tendo sido São Joaquim comemorado, inicialmente, em dia diverso ao de Sant’Ana, o Papa Paulo VI associou num único dia, 26 de julho, a celebração dos pais de Maria, mãe de Jesus. 

Cultura popular 

Pode se encontrar um retrato realístico de Santa Ana no filme, The Nativity Story, "Jesus, a História do Nascimento", em português. 

26 de julho - França. Sant´Ana, Mãe da Virgem Maria, e São Joaquim 
Fonte Wikipédia

Eu sou Ana, a Mãe de Maria (II) 

Aparição de Sant´ Ana em Auray, França 

Yves Nicolazic, contam os historiadores, dormiu, tranquilo. Havia que se esperar ainda um ano para que a primeira Missa de Sant´Ana, em Bocenno, fosse autorizada. O reitor o repreendera severamente - com efeito, não é fácil aceitar como real, tal acontecimento. Não obstante, dois cristãos laicos o animaram: eram eles, os senhores de Kermedio e de Kerloguen: este último, proprietário do campo de Bocenno, prometeu-lhe apoio, para a construção da capela, e aconselhou-o a reunir alguns testemunhos dos fatos miraculosos ocorridos. 

Na noite de 7 para 8 de março de 1625, Sant´Ana apareceu-lhe, mais uma vez, recomendando-lhe que fosse chamar os vizinhos e que seguissem, todos, a luz que os guiaria: "Leva-os contigo: esta luz vos conduzirá e vós encontrareis a imagem que vos protegerá de todos os males do mundo, e o mundo conhecerá, enfim, a verdade daquilo que prometi." 

Pouco depois, os camponeses encontraram, sob a luz da tocha, uma antiga imagem de Sant´Ana, em madeira, já bem desgastada, carcomida, com vestígios em tons brancos e azuis. Ao seu lado, a filha, a Virgem Maria, com o Menino Jesus ao colo. Três dias passados, os peregrinos começaram a chegar, copiosamente, para rezar a Sant´Ana, diante da estátua que serviria de sinal de conversão para o mundo. Era a realização da profecia - a multidão, zelosa, na caminhada. Peregrinações que, desde então, tornaram-se constantes. Apesar da discrição e das restrições do Cura, - que depois se desculpou - as pesquisas ordenadas por Monsenhor de Rosmadec, Bispo de Vannes, concluiriam a veracidade dos fatos, e a primeira Missa oficial foi celebrada , por decisão sua, no dia 26 de julho de 1625, diante de extraordinária multidão, estimada em cem mil pessoas. 

A partir daquele dia, Yves Nicolazic tornou-se construtor. Passou a dirigir os trabalhos; conduzia as carroças - oferecidas pelo povo - cheias de pedras ou de ardósia, lenha do derrube das árvores, pagamento dos fornecedores e tudo, com sabedoria e probidade, de um homem que não sabia nem ler nem escrever, e que só falava bretão (língua céltica daquela província francesa). Quando a capela ficou pronta, ele se eclipsou, deixando a aldeia de Keranna e cedendo lugar a Sant´Ana e aos peregrinos, cada vez mais numerosos. Até hoje, Sant´Ana é venerada na Igreja de Auray, dedicada à avó de Jesus. 

Em 1996, o papa João Paulo II fez uma visita ao local e na ocasião estiveram presentes cerca de 150 mil pessoas. Após sua visita, aumentou o número de peregrinos para cerca de 800 mil pessoas por ano, sendo que não há um dia sequer que não haja peregrinos. 

Site um minuto com Maria

A História é algo realmente maravilhoso de se conhecer. Saber dos fatos e estabelecer relações, nos conduzem ao conhecimento profundo de nossa fé e religiosidade.

Nessa breve História sobre Sant'Ana, nós, Umbandistas, podemos encontrar a razão pela qual Nanã Buruquê, sincretizada com Sant'Ana, na Umbanda, é a Orixá mais velha, a Senhora das Senhoras, a mãe/avó, a mãe das Mães.

Simboliza sabedoria, paciência, mas, acima de tudo, a fé que não se abala e a tudo resiste porque crê e espera, assim é a vibração de Nanã em nossas vidas, a força que nos inspira à fé sólida, à paciência e à sabedoria que nasce quando adotamos essas posturas em nossa vida.

Anna Pon

Sendo estéril, Sant'Ana foi agraciada com a maternidade pelo poder da fé .Unidos pela fé, Sant'Ana e São Joaquim trouxeram ao mundo a "Luz", Miriam, Maria, Mãe de Jesus. 

Abaixo oportuno texto que estabelece justamente o paralelo entre Sant'Ana e Nanã Buruquê:

"É a senhora de muitos búzios, que simbolizam a morte por estarem vazios e a fecundidade porque lembram os órgãos genitais femininos. Nanã sintetiza em si a vida e a morte, a fecundidade e a riqueza. Seu nome designa pessoas idosas e respeitáveis e, para o povo Jeje da região do antigo Daomê, Nanã significa mãe, a grande Mãe da Sabedoria." 

Trecho do texto de Mãe Mônica Caraccio-Site Minha Umbanda

Certamente Sant'Ana venceu, pelo poder de sua fé e acima de tudo, pelo poder de Deus, a limitação da esterilidade e da idade mas, não apenas isso, foi eleita por Deus para trazer ao mundo aquela que geraria, mais tarde, o Senhor do nosso planeta.

Percebemos a essas alturas que Jesus, antes mesmo de nascer, já contava com seres especiais para cumprir sua missão. Pessoas de muita fé e devoção.

Por isso, no próximo dia 26.07.2011, peçamos a nossa Mãe/Avó, que nos ajude a adquirir mais sabedoria, paciência, calma e, nesse momento, possamos fortalecer a nossa fé lembrando sempre que:

"A ostra nasce do lodo, domínio de Nanã, gerando pérolas finas". Para refletir!

Saluba Nanã! Salve Nossa Senhora Sant'Ana!


Anna Pon

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Características dos filhos dos orixás, personalidade dos filhos de Oxalá, Yemanjá, Oxum, Ogum, Oxossi, Yansã, Xangô

Orixá de Frente – Orixá Adjunto – Orixá Ancestral – A natureza humana -

Firmeza e Assentamento (Umbanda)