O Casamento na Umbanda




O Casamento na Umbanda 
Lurdes de Campos Vieira com supervisão de Rubens Saraceni 


O elemento humano vital, o impulso universal que tudo cria e gera, que motiva duas pessoas a unirem suas vidas em uma existência comum é o Amor. 
O verdadeiro sentido do casamento é a fusão de duas almas, é deixar de ser parte para tornar-se todo. 
A união das forças do homem e da mulher, em um compartilhar sincero de duas vidas, faz aflorar uma parte fundamental do ciclo humano. 
O casamento é o elo mais forte e perpetuador da sociedade, é a união solene entre duas pessoas, com legitimação religiosa e/ou civil, para a constituição de uma família. 
A família deve funcionar como o berço dos valores que formam o caráter e a personalidade do ser. 
O casamento é perpetuador da família. 
Os primeiros conceitos de ética e moral, a primeira ideia e concepção sobre o que é Deus, religião e religiosidade, aparecem na família, uma das principais bases de nossa sociedade. Isso coloca em evidência a importância da união matrimonial, da integração e da valorização da família com a religião. 
O casamento não é apenas uma instituição humana, mas é também instituição divina. Não podemos esquecer que a lei dos homens não é mais importante que as bênçãos de Deus. Para isso, o Divino Criador, Olorum, precisa estar presente, como Sacramento (sinal), na vida dos casais. Sem Olorum, o casamento pode tornar-se um fardo muito pesado de se carregar. 
O amor humano e o desejo sexual podem se exaurir rapidamente, e, portanto, não serem suficientes para sustentar a relação. O casamento significa uma verdadeira aliança do casal com o plano divino, um pacto de comprometimento total, pois o Divino Criador é Amor, é união, é dádiva, é bondade infinita. 
A bênção de Deus fortalece o casamento, na realidade do dia-a-dia, restaurando-o com sua misericórdia, sempre que necessário; proporciona crescimento espiritual e aproxima o casal do Divino Criador. 
O casamento na Umbanda é um ritual belo, simples e singelo, no qual o sacerdote, sacerdotisa ou a entidade responsável, pela outorga a eles conferida, dá as bênçãos divinas para a união do casal, lembrando-lhes os valores e o significado dessa união. 
A Umbanda prega a monogamia, a fidelidade, o respeito mútuo e o amor a Deus. O bom relacionamento deve ser dinâmico e sua harmonia só pode ser alcançada com Amor, Respeito, Dedicação, Crescimento e Maturidade. 

Preparação 
Em frente ao altar, deverá estar arrumada uma mesa, ornamentada com uma bela toalha branca rendada. No chão podem ser colocados belos vasos com flores. Sobre a mesa, castiçais com velas: branca, para Pai Oxalá, e azul-claro, para Mãe Iemanjá. Também deve haver sobre a mesa água, pemba ralada e crisântemos, uma vela rosa para a noiva, representando Mamãe Oxum e uma vela azul-turquesa para o noivo, representando Papai Oxumaré. 
Esses orixás simbolizam a união para a preservação da vida. • A água, em um cálice ou taça, significa a vida e a purificação. É utilizada para banhar as alianças. • A pemba, representa o alimento, a terra, a firmeza e a estabilidade. • O crisântemo é utilizado para aspergir a água, abençoando, para colocar as alianças dentro e porque foi a flor indicada pelos mentores, pois traz harmonia, quietude, paciência, tolerância e benevolência. 
Em frente à mesa, no chão, devem estar duas belas almofadas brancas, de cetim, para que nelas os noivos se ajoelhem ou um genuflexório no qual os noivos fiquem bem acomodados. Os médiuns poderão estar formando a corrente mediúnica, os homens à esquerda e as mulheres à direita, de frente para o altar. 
No meio, deixar um corredor, com 7 médiuns mulheres do lado direito e 7 médiuns homens do lado esquerdo, segurando palmas brancas, formando uma espécie de “túnel de flores”, para a passagem da noiva, na entrada, e dos noivos, na saída. O corredor poderá estar coberto com pétalas de rosas ou folhas de outras plantas. Ele simboliza o caminho florido que estão pisando juntos. 
O trabalho O (a) dirigente poderá abrir o trabalho, normalmente, com a Curimba entoando o Hino da Umbanda, canto de abertura, defumação, louvor a Pai Oxalá e às Sete Linhas, etc. A seguir, chama o noivo e os padrinhos para frente, ao lado do altar.

Entrada da noiva 

A Curimba faz canto para a entrada da noiva, que se dirigirá à frente do altar, encontrando-se com o noivo. Os padrinhos posicionam-se ao lado, atrás dos noivos, segurando as velas na mão direita. O padrinho segura a vela azul e a madrinha a vela rosa. O sacerdote posiciona-se em frente aos noivos. 

EXPLANAÇÃO 

 O (a) dirigente poderá explanar sobre a doutrina, sobre o sacramento que será realizado, orientar os fiéis sobre a importância de se ter uma religião, do cultivo da religiosidade e do casamento. Poderá falar aos noivos sobre a importância do casamento na Umbanda. 

O Matrimônio 

“Estamos aqui reunidos, sob a luz de nosso Pai Olorum, pedindo a nosso Pai Oxalá e aos Protetores, para que seja abençoada e se consagre a união de nosso irmão ....(nome do noivo) com nossa irmã (nome da noiva). Essa união é desejo de ambos, para darem prosseguimento às suas vidas aqui no plano físico, porque é a condição fundamental, uma necessidade para a preservação da própria espécie. Que ela seja abençoada e seja o início de uma caminhada em comum. Queremos parabenizar a decisão dos noivos, pois é assim que procedem as pessoas que se amam e querem dar sequência a uma família. O Amor é um sentimento, uma sensação, uma fonte alimentadora do ser, um princípio gerador, que extrapola as fronteiras do universo pessoal, mesclando-se à vida. Nosso Divino Criador, Olorum, gerou espíritos masculinos e femininos e as espécies aos pares, machos e fêmeas para se complementarem. 
A união dos pares faz parte de uma das formas de sustentação da vida e da multiplicação da espécie humana no planeta. Quando amamos e somos amados, muda a própria visão que temos do mundo, pois ele nos parece muito melhor e mais bonito. Tornamo-nos mais tolerantes, mais humanos, mais fraternos e mais saudáveis. Felizes são os que se unem com seus pares! 
O casamento é a união estabelecida por Deus, para o nosso aperfeiçoamento. Só os que se unem em Deus, com Suas divindades amparando-os, são plenamente felizes, respeitados pela sociedade, pelos familiares e pelos amigos. Um relacionamento afetivo só será bem-sucedido se houver respeito e entendimento mútuo, se houver cumprimento do dever moral e se cada um der o que tem de melhor para a felicidade do casal, para ver no outro a satisfação da vida. 
É isso que Deus quer de vocês! 
A Umbanda adotou os procedimentos de nossa cultura ocidental, que é monogâmica. Mas, a fidelidade não deve existir por mera convenção social, e, sim, porque estaremos cumprindo diante de Deus o que aceitamos do plano espiritual. O dever moral, na ordem dos sentimentos, é muito difícil de se cumprir e suas vitórias não têm testemunhas. Dever é coragem da alma que enfrenta as angústias da luta. A obrigação moral para com Deus jamais cessa e o homem que cumpre seu dever ama a Deus mais que às próprias criaturas. A mesma lei que nos ampara, nos pune quando a infringimos. Se o Amor não resistir ao tempo e um dia vier a separação, que não haja traição nem ofensas. Em religião, nenhuma infidelidade é aceita. 
Os casais que não seguem regras racionais, acabam por separar-se, mas o plano físico é apenas uma passagem. A separação com antipatia, com sentimentos de mágoa, ódio, gera carma que se desdobra no plano espiritual. 
O casamento é a união de dois espíritos, de duas vontades, de duas consciências, para assumir as funções de marido e esposa. Implica em conduta, preservação de preceitos, mudanças interiores, amparo e respeito. A união necessita de reflexão, para que se tenha consciência das responsabilidades daí em diante, para dar orientação aos que vierem dessa união. 
Pai e mãe devem ter condutas exemplares, nas quais o filho possa se espelhar para um dia ser feliz em sua união, também. Cada um de vocês, hoje, assume um dever para com o outro, de respeito mútuo, de estimular, de amparar, de compartilhar alegrias, tristezas e dificuldades. Na união do sagrado matrimônio, estão unindo seus espíritos diante de Deus, estão assumindo um compromisso de trilharem um único caminho, juntos, com Amor. 
O casamento é a cerimônia religiosa mais importante de todas, porque é o momento em que um se responsabiliza pelo outro, com renúncias em benefício mútuo.” 

A cerimônia de casamento 

O(a) sacerdote (sacerdotisa) deverá coordenar o propósito do culto do dia com as necessidades da assistência. 
O(a) sacerdote(sacerdotisa) diz aos padrinhos: 

ORIENTAÇÃO AOS PADRINHOS 

Ser padrinho e madrinha de casamento é um ato social, mas, para os Sagrados orixás, sua função é a de atuarem como luzes na vida de seus afilhados, para que, no caso de desavenças, eles possam chamá-los para conversar e se orientar. 
Vocês deverão trabalhar as dificuldades do casal, com harmonia, com a razão e não com a emotividade, para não desenvolver rupturas e carmas. Quem está na dificuldade não consegue tomar decisões acertadas; aí é importante a ação dos padrinhos. 
Ser padrinho e madrinha é ter ascendência sobre os afilhados, para chamá-los à atenção quando necessário. Nesse caso, poderão ser utilizadas as velas, deixando-as acesas um pouco, para equilíbrio, para que voltem a se ver como hoje, como par, casal que se ama. Apagar as velas em seguida. 
O (a) sacerdote (sacerdotisa) une as mãos dos noivos, coloca a sua mão direita sobre as deles, reza e diz ao casal — A você (nome do noivo) e a você (nome da noiva), que hoje estão aqui para dar esse passo importante, peço a bênção dessa união a nosso Pai Oxalá. Em nome de Deus Pai, Todo-Poderoso e dos Sagrados orixás, pelo poder a mim conferido pelos orixás eu pergunto: 
“Estão conscientes da responsabilidade que estão assumindo?” 
O(a) dirigente pega e abençoa as alianças, que antes foram colocadas na água, na pemba e no crisântemo. Eleva as alianças, para que recebam as bênçãos, a imantação divina, enquanto os noivos permanecem ajoelhados. 
 “Nosso Deus, nosso Pai, Divino Criador, Sagrados orixás, peço-Vos que derramem Vossas bênçãos sobre estes símbolos de união, para que quando forem usados, os noivos sempre se lembrem do compromisso assumido diante de Vós. 
A Curimba canta pontos de união. 
“Peço ao Divino Olorum, a nosso Pai Oxalá, aos demais orixás e protetores que abençoem esta união sagrada, derramando suas luzes sobre vossas coroas. Peço-lhes que esta união ocorra também em espírito, para que, unidos diante de Deus, usufruam dos benefícios do sagrado matrimônio, para fortalecimento do vosso espírito e do elo que neste momento está se estabelecendo entre ambos. 
Pede aos noivos que se levantem e pergunta: 
• para a noiva: (nome da noiva) é de livre e espontânea vontade que você recebe (nome do noivo) como seu esposo? 
• para o noivo: (nome do noivo) é de livre e espontânea vontade que você recebe (nome da noiva) como sua esposa? 
Após o sim, “então, que seja anotado no Livro das Uniões e que, agora, vocês troquem as alianças, que representarão essa união perante a sociedade. 
Que abençoados sejam vocês em sua união, para vivenciarem o Amor, que já foi vivenciado em outros planos, e aqui repitam a alegria da vida. 
O(a) dirigente assina o livro e diz: 
“Agora estão unidos perante Pai Olorum e perante os Sagrados orixás. 
Que Deus os abençoe! E porque diante de Deus e da Umbanda estão unidos como marido e mulher, finalizamos esta cerimônia, pedindo que assinem nosso livro. 
“Podem se beijar!” 
A Curimba poderá cantar hinos e pontos de alegria. 
O sacerdote ou sacerdotisa entrega as velas aos noivos, orientando-os para que elas sejam preservadas sempre em pé. Parabeniza-os. Noivos, padrinhos e testemunhas assinam o livro. Saída dos noivos, com canto da Curimba, para recebimento dos cumprimentos. 
Encerrar o trabalho. 

Texto extraído do livro “Manual Doutrinário, Ritualístico e Comportamental Umbandista - Coordenação de Lurdes de Campos Vieira / Supervisão de Rubens Saraceni - Editora Madras

Nota
Acima está exposto um modelo de casamento na Umbanda. Pode ser alterado pela orientação do dirigente da casa ou de seu mentor espiritual, lembrando sempre que: casamento entre pessoas do mesmo sexo também são realizados na Umbanda.
Anna Pon

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Firmeza e Assentamento (Umbanda)

Orixá de Frente – Orixá Adjunto – Orixá Ancestral – A natureza humana -

Características dos filhos dos orixás, personalidade dos filhos de Oxalá, Yemanjá, Oxum, Ogum, Oxossi, Yansã, Xangô