Malandragem na Umbanda




Malandragem?! 

Por Danilo Lopes Guedes 


Quando lhe chamam de malandro, logo pensamos de uma forma pejorativa, ou seja, naquele que engana, rouba, etc. 

A grande maioria direciona para o cenário ruim, mas quando falamos da linha de Malandros dentro da Umbanda não entendemos direito o que acontece, mas sentimos conforto, satisfação e segurança. 

Vou expressar meu sentimento do que entendo por Malandragem, quando ocorre a manifestação desta linha e o sentido de seus trabalhos, estou amparado por meu irmão de LUZ, Seu Camisa Listrada, guia este que vem me acompanhando nos caminhos e sempre ensinando o que Viver. 

Fiz o seguinte questionamento: “O que é ser Malandro?” 

Aguardei a resposta por alguns instantes, até que... É majestade! 

Questionamento complexo, mas tentarei esclarecer a nossa essência e entenderá que ser Malandro é muito fácil. 

Ser Malandro ou Viver a Malandragem nada mais é do que: 

• Respeitar a sua Vida e a dos outros. 
• Gingar conforme a música. 
• Ter a mesma flexibilidade de um bambu em dias de vendavais, onde enverga, mas não quebra. 
• Respeitar seus limites, onde cada passo dado deve ser bem analisado. 
• Ser o responsável pelos seus atos. 
• Ter tudo e não ser dono de nada. 
• Valorizar tudo o que conquistar e ainda mais o que ganhar. 
• Saber dizer o SIM, NÃO, TALVEZ e principalmente QUEM SABE? 
• Não achar que sabe tudo, mas conhecer aquele que SABE. 
• Reconhecer seus verdadeiros amigos e principalmente os seus inimigos. 
• Enxergar um futuro promissor reconhecendo os fracassos do passado 
• Saber RIR de verdade, com gosto e com vontade. 
• Aproveitar cada instante que a vida lhe dá. 
• Ter honestidade no olhar, sinceridade em suas palavras e amar com o coração. 

Resumindo majestade ser Malandro nada mais é do que saber VIVER.

 VIVER E NÃO TER A VERGONHA DE SER FELIZ!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Orixá de Frente – Orixá Adjunto – Orixá Ancestral – A natureza humana -

Firmeza e Assentamento (Umbanda)

Características dos filhos dos orixás, personalidade dos filhos de Oxalá, Yemanjá, Oxum, Ogum, Oxossi, Yansã, Xangô