Adorei as Almas (conto)




Adorei as Almas 

Dedico esse pequeno conto a todos os pretos-velhos e pretas-velhas. Seres de luz que conseguem enxergar além de nossa mesquinharia e egocentrismo, trazendo à tona nossa essência divina. 
por Fábio Vieira 


 Estou caminhando em um jardim de girassóis, o céu azul, pássaros cantando... tudo está em perfeita harmonia. Não há mais dor, medo ou receio... onde estarei? Será que é isso o que chamam de paraíso? 

De repente ouço um som seco, de batidas leves e curtas, acompanhado de um aroma adocicado que não consigo identificar, mas parece ser tabaco com algum tipo de erva. Ao fundo escuto uma música ritmada e atabaques. 

Com pés descalços, sinto toda a energia do lugar, como se eu fizesse parte da terra, do ar, da água. Uma voz ao longe me chama: 

“- Fio, está na hora de vortá”- a voz calma e serena me pede. Nesse momento a luz do sol se intensifica, e como acordando de um sonho, abro meus olhos devagar. 

Na minha frente, um homem está sentado em um banquinho, com um cachimbo na boca e estalando os dedos. Percebo que também estou sentado em um banco e, sem que eu tenha controle, lágrimas começam a brotar de meus olhos. 

Não posso precisar por quanto tempo chorei, mas fui me acalmando à medida que bebia água que alguém havia me servido. Aos poucos fui me lembrando de onde estava, eu havia ido buscar ajuda em um terreiro de Umbanda e diziam que naquele dia quem estava atendendo eram os pretos-velhos. 

O homem tornou a falar, e embora tivesse no máximo 40 anos, sua voz soava como um velho ancião. Parecia cansada e baixinha: 

- Fio, ucê gostô do passeio? - ele disse, com um leve sorriso. 

-Que lugar maravilhoso era aquele? Onde estive? - perguntei, tentando me agarrar à lembrança que aos poucos se dissipava. 

- Ucê caminhô pra dentro de seu coração, ucê viu sua alma. 

Pensei por um instante em suas palavras, e de como não fizeram sentido. A minha vida até aquele momento tinha sido uma sequência de erros, cheia de amarguras e decepções. Eu achava que se realmente tivesse uma alma, ela estaria perdida em um pântano de sofrimentos. O homem à minha frente, como se lesse meus pensamentos, pegou em minha mão. Nesse momento algo estranho aconteceu. Levantei os olhos, e quem estava à minha frente não era mais um homem branco, calvo e gordinho. Em seu lugar estava um senhor idoso, magro, negro e de barbas brancas. 

Seus olhos eram tão doces, que a mudança não me causou espanto, pelo contrário, senti uma paz interior que nunca havia experimentado antes. Ele disse: 

- Fio, o inferno que ucê vive agora está do lado de fora e não aí dentro. Foi ucê que ao longo do tempo construiu cada tijolinho de sua vida. Com amor, com ódio, com prazer, com a dor, com as esperanças e com as desilusões. E foi ucê também que cercô seu casuá com muros altos, e não permitiu que ninguém se aproximasse. E depois curpô o mundo por suas desgraça. - Não foi fio? - Perguntou-me enquanto baforava uma fumaça que tinha o mesmo aroma que eu tinha sentido antes. Eu não soube o que responder, ele estava certo. Esse homem me conhecia melhor que eu mesmo. Ele continuou: 

-Esse nego véio nasceu com algemas, vivi a vida toda acorrentado, hora pelos pursos, hora pelos carcanhá. As veiz dormia com as feridas aberta, no chão gelado e com a barriga vazia. Sabe o que fazia o nego aguentá isso tudo? A certeza que isso acabaria, que esse sofrimento não seria eterno. Quando desencarnei, fui recebido nos braços de minha mãe Iemanjá, ela curou cada ferida da minha alma e depois apercebi que cada tristeza, cada dor, cada lágrima que derramei se tornô um grão de areia perante a grandeza e a beleza do mundo espirituar. Ucê tá vendo arguma algema no meu purso agora fio? - Perguntou-me levantando os braços. 

- Não vejo nenhuma. - Respondi. 

- E no seu purso fio, tem arguma algema? - Segurou meus braços no alto. 

- Também não. - Respondi meio encabulado. 

- Então fio, porque ainda continua preso? Ucê é livre fio, não deixa seu medo e sua autopiedade acorrentá ucê. Deixa que esse jardim que ucê carrega floresça pra fora de sua alma, porque esse é ucê de verdade. 

Refleti suas palavras por um momento e compreendi o que aquele ancião tão caridoso havia me transmitido. 

- Pode ir agora fio, tô vendo que o saco de pedras que ucê entrou carregando não existe mais. Vá em paz e que Jesus Cristo acompanhe ucê. 

Levantei-me do banquinho, me sentia mais leve, quase podia flutuar. Já me dirigia à porta de saída do terreiro quando olhei para trás, num gesto de agradecimento velado, mas para meu espanto quem estava sentado era o homem branco e calvo que eu havia visto antes quando entrei. 

Não posso explicar racionalmente tudo que vivi nesse lugar. Como se descreve por palavras o amor incondicional? Mas sei que estou saindo uma pessoa muito melhor do que quando entrei.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Características dos filhos dos orixás, personalidade dos filhos de Oxalá, Yemanjá, Oxum, Ogum, Oxossi, Yansã, Xangô

Orixá de Frente – Orixá Adjunto – Orixá Ancestral – A natureza humana -

Firmeza e Assentamento (Umbanda)