O Culto dos Caboclos Africanos na Umbanda

Arte por Ricardo Chavez                                                       …
Arte por Ricardo Chavez  Pinterest


O Culto dos Caboclos Africanos na Umbanda 

Por Edmundo Pellizari 

Companheiros espirituais ainda pouco conhecidos na Umbanda, os Caboclos Africanos são entidades fortes, fiéis e muito alegres. 

Eles vieram das profundas selvas africanas, dos antigos quilombos brasileiros e das distantes ilhas do Caribe. 

Quando chegam no terreiro soltam seus gritos de guerra: 

“Huia!”, “Huhuia!”, “Hui!”. 

Gostam de trabalhar com bom charuto, cachimbo, pembas coloridas e ervas medicinais. 

Sentam-se no chão, olham fundo nos olhos dos consulentes, cumprimentam com força e passam muita confiança. 

A maioria destes espíritos apresenta influências bantu na linguagem, roupagem e modos. A sensação é que estamos falando com um Preto Velho, mas sem a presença do banquinho e das palavras doces. 

Os Caboclos Africanos usam linguagem mais firme, expressões mais coloridas e palavras menos simbólicas. Vão direto ao assunto. 

Pai Manuel da Serraria, velho umbandista e juremeiro, dizia com seu humor habitual: 

- “Esses caboclos parecem uma mistura de exu, caboclo e preto velho mandingueiro tudo junto. Que gente grande essa...” 

Excelentes combatentes, guerreiros do Axé e da luz, muito invocados para desmanchar demandas e feitiços. Eles conhecem os mistérios da ciência da Mpemba (pemba) e dos encantamentos do Mpolo Mpemba (pó de pemba), que utilizam no corte das energias negativas com muita destreza. 

Também usam fubá de milho, carvão, farinha e café para desenhar seus signos mágicos no chão. Nas giras não dispensam a fabricação de patuás, amuletos e outras mandingas de tradição para ajudar os necessitados. 

Costumam dividir-se espiritualmente em sólidas famílias ou clãs como na Mãe África. A mais conhecida é a dos “Arranca”, grupo arredio de lutadores das matas, que literalmente arrancam as mazelas e miasmas astrais dos lugares e pessoas. 

Seus integrantes mais conhecidos são: Arranca-Toco, Arranca-Cruzeiro, Arranca-Pemba, Arranca Estrela, Arranca-Caveira, Arranca-Pimenta, Arranca-Cobra, Arranca-Feitiço, Arranca-Calunga, Arranca Sepultura, Arranca-Folhas e Arranca-Dificuldade. 

Esta família é predominantemente masculina e não devemos confundir os “Arranca” Africanos com seus irmãos nativos brasileiros que também possuem o nome arranca (Caboclo Arranca-Toco, por exemplo). 

A magia dos felinos está bem representada na pessoa do poderoso Pantera Negra Africano (parente espiritual do Caboclo Pantera Negra, um tradicional caboclo de Umbanda) e sua Falange. 

Outros caboclos africanos trabalham sob o glorioso estandarte da Família Malê, levantado bem alto a espada da vitória e cortando a cabeça do dragão da escravidão (moral, espiritual e material), como os Africanos Mussurumi, Lele Mussurumi e Assumano. 

Na Família dos guerreiros Congos e Angolas estão os Africanos: Azambuja, Calungueiro, Macalé, Mezala e Zambará. A chefia da tropa está sob a liderança de Pai Simão Africano, como dizem os mais velhos. 

As Caboclas Africanas são autênticas amazonas. Mulheres que lutavam com facão, lança e porrete ao lado dos homens. As mais famosas, que ainda baixam nas giras, são: Africana Rosa, Africana Maria, Africana Rosária e Africana Matamba. 

Detalhe interessante: o culto aos Caboclos Africanos é mais popular no sul do Brasil, Argentina e Uruguai, regiões que receberam grande influência da cultura do negro bantu. Terreiros de Umbanda Cruzada do Rio Grande do Sul, que trabalham com a tradição do Batuque, conhecem bastante as mirongas destas entidades. 

LITURGIA: Cores simbólicas (para velas, panos e toalhas de oferendas): vermelho, branco, preto e roxo (possuem bastante influência dos Orixás Ogum, Omulu e Obaluaiê). 

GUIAS: predominantemente de sementes e dentes de animais ou nas cores acima mencionadas. 

COMIDAS E OFERENDAS TÍPICAS: feijoada, ovos cozidos e temperados com pimenta branca, bananas, laranjas e outras frutas doces. Tabacos fortes (charuto e fumo de corda), marafo, Bomba (marafo com pólvora, pimenta malagueta e pó de pemba. 

Observação: a Bomba não se bebe, se oferenda!), marafo ou vinho tinto preparado ervas medicinais e vinho branco. 

ACESSÓRIOS DE GIRA: costumam vestir, sempre que o Terreiro permite, chapéu de palha, lenços no pescoço, colares (guias de trabalho) e lenços na cabeça (africanas). 

PONTOS DE CHAMADA DA LINHA: 

Na linha de africano Ninguém pode atravessar. Ô segura a pemba ê ê, Ô segura a pemba ê á, Ô segura a pemba ê ê, Ô segura a pemba no congá. A bananeira que plantei na meia-noite Tinha seu toco na beira do terreiro. Eu quero ver africano firmar ponto, Eu quero ver africano feiticeiro! Aí vem Jesus navegando no mar, É o Povo Africano que vem trabalhar. 

PONTO DE LOUVAÇÃO DA LINHA 

O meu pai vem baixando de Aruanda Para saravá os filhos da Umbanda. Ele é Africano, ele é feiticeiro, Vem trabalhar em nosso terreiro! 

PONTO GERAL DE CABOCLO AFRICANO* 

No mato tem um toco Queimado por um raio, Sou caboclo africano, Bambeio, bambeio Mas não caio! CUIDADO SINHÁ* Cuidado sinhá menina, Por onde pisa no mato, Caboclo africano avisa Pra tomar muito cuidado! 

PONTO DE DESPEDIDA África lhe chama, Africano vai embora, Vai com Deus, E nossa Senhora! (* Pontos de Caboclo Africano na Linha Boi do Mato, Macaya de Santo Antônio da Jurema).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Características dos filhos dos orixás, personalidade dos filhos de Oxalá, Yemanjá, Oxum, Ogum, Oxossi, Yansã, Xangô

Orixá de Frente – Orixá Adjunto – Orixá Ancestral – A natureza humana -

Firmeza e Assentamento (Umbanda)