Compromisso do Umbandista em tempos de pandemia

 



A pandemia não acabou. 

Acredito que temos ainda um longo caminho pela frente de prevenção, cuidado, atenção. Não apenas no que diz respeito à individualidade, mas sim com vistas ao coletivo.

A pandemia reforça a necessidade de termos empatia, muito embora grande parte da população não tenha ainda despertado para o fato. A impressão que tenho é que muitos acreditam que negar, fazer vista grossa e relaxar seja mais fácil. Pensando e agindo assim prolongam a duração da pandemia, afetando a todos.

Como Umbandista acredito na vida e em sua preservação, creio ainda nas forças da natureza pelas quais se manifestam os Orixás, além de crer na espiritualidade, sempre disposta a nos ajudar apontando caminhos que nos protegem das armadilhas do mal que, muitas vezes, até inconscientemente, procuramos, enfim, para mim, ser Umbandista é ser agente de preservação da vida e da natureza.

Isto posto, quero deixar claro ainda que; ser Umbandista é ser colaborador na árdua tarefa de promover o bem, a saúde, a união, sempre com muita transparência e amparados pela verdade que não admite a hipocrisia do discurso vazio, assim sendo, meu coração Umbandista me diz que meu dever é colaborar com todos tanto quanto me seja possível e permitido.

Quero dizer que continuar com os cuidados reais, não aqueles que a mídia exibe, que mais dão a impressão que a pandemia acabou que outra coisa, é fundamental, é nosso dever como cidadãos e como Umbandistas que somos.

Tenho visto, pelas redes sociais, giras e giras exibindo pessoas sem máscara, cuidado primeiro e de fundamental importância no momento, terreiros promovendo festas amparados pelo discurso de que todos os cuidados serão levados em conta quando, na verdade, bem sabemos que não é assim e Umbandista que preza a vida, deve ter mais cuidado porque responderá, cedo ou tarde, pelos seus atos.

Não existe ainda nenhum protocolo de segurança a ser seguido quando pessoas se aglomeram. A maioria ainda não está vacinado, assintomáticos contaminam outras pessoas. O que temos e podemos fazer por nós e pelo coletivo é o cuidado sério, verdadeiro, ou seja: distanciamento, máscara usada de forma adequada, vacina (duas doses)  e higiene. Fora disso há risco sim e é perigoso.

Sei que a comunidade Umbandista foi duramente afetada pela pandemia, aliás, está sendo, assim como eu mesma, mas pensar em todos é meu dever, colaborar para reforçar os cuidados é meu dever não apenas com a sociedade, mas com a espiritualidade que tanto tem trabalhado nestes tempos para socorrer a tantos, encarnados e desencarnados pelo mundo afora.

Giras, festas em terreiros, onde os mínimos cuidados não são observados, denotam imaturidade, enfraquecimento de seu chão e de seus médiuns porque o momento exige união, cuidado e colaborar com a espiritualidade é justamente ter a paciência para esperar, o Tempo de Deus, e conforme seja Sua Vontade, que o vírus, enfim, cumpra seu objetivo (propósito), sim, creio que há uma razão além do nosso entendimento para que isto esteja acontecendo.

Somos muito pequenos e não temos condições de compreender tudo, mas se sabemos um pouco, ou alguma coisa, é que como colaboradores da espiritualidade devemos estar atentos e vigilantes, pois são tempos difíceis que exigem muito de tudo o que já aprendemos, o momento exige que coloquemos em prática todo o aprendizado acumulado no chão de terreiro.

Tenho certeza que a espiritualidade precisa da nossa colaboração, do nosso exemplo prático como cidadãos e Umbandistas.

Precisamos fortalecer a nossa fé e através do exemplo, diário e prático, promover o bem, os cuidados com a saúde, individual e coletiva, além de tantas outras coisas que a espiritualidade não se cansa de nos ensinar.

Estamos momentaneamente impossibilitados de exercer nossas atividades no terreiro como era de hábito, mas estamos conectados às forças maiores e aos guias espirituais. 

Estamos mudando. Tudo à nossa volta está mudando e com a Umbanda não é diferente. Estamos sendo preparados para um novo tempo no qual o auto conhecimento será de fundamental importância para que a evolução de todos aconteça, até mesmo a evolução da própria religião que cada vez mais haverá de estimular nos seres a busca pela sua própria iluminação através de ensinamentos práticos, posturas diante da vida e, com certeza, esse momento nos tem revelado, mostrado quem é quem, de verdade, dentro desse universo religioso e fora dele.

Desejo saúde, sorte, amor e prosperidade a todos!

Axé, Saravá, Namastê,

Anna Pon


Conheça meu trabalho de psicografia literária


"Maria Baiana e a Umbanda"
Uma psicografia de Anna Pon pelo espirito de Maria Baiana
Disponível nos formatos e book e capa comum, já a venda em

Amazon.com


"Serena" trabalho psicografado por Anna Pon 
Transmitido pelos espíritos Pai Inácio e Shàa
À venda no Clube e nas melhores livrarias do Brasil
Nas versões impresso e e book acesse o link!


ATENÇÃO: LANÇAMENTO NO CLUBE DE AUTORES

"Vô Benedito nos Tempos da Escravidão" novo trabalho psicografado por Anna Pon. 
Transmitido por Vô Benedito (Espírito)
Já à venda no Clube de Autores e nas melhores livrarias do Brasil
Nas versões impresso e e book acesse o link!


Entre outros (veja aqui, na aba a esquerda)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Características dos filhos dos orixás, personalidade dos filhos de Oxalá, Yemanjá, Oxum, Ogum, Oxossi, Yansã, Xangô

Orixá de Frente – Orixá Adjunto – Orixá Ancestral – A natureza humana -

Firmeza e Assentamento (Umbanda)