Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2021

São Judas Tadeu: Xangô Airá ou Xangô do Oriente

Imagem
28 de outubro: São Judas Tadeu: Xangô Airá ou Xangô do Oriente É, sem dúvida, hoje, um dos santos mais populares do Brasil. No entanto, embora fosse um dos apóstolos de Cristo, a devoção por ele começou tarde, isso em função de seu nome, que se confundia com o do "apóstolo traidor", Judas Iscariotes. São Judas era primo de Jesus, pois era filho de Alfeu, também chamado de Cléofas, irmão de São José. Ao que se sabe, seu pai era um daqueles discípulos de Emaús, a quem Jesus apareceu naquela tarde do dia da Ressurreição. Quanto à sua mãe, ela era uma das mulheres que se encontravam ao pé da Cruz de Jesus, junto com Maria Santíssima. São Judas - aquele mesmo apóstolo que, na Última Ceia, pergunta a Jesus por que Ele havia se manifestado a eles e não ao mundo - demonstrou sempre um grande ardor pela causa do Reino e, então, o desejo de que o Evangelho se tornasse conhecido de todos. Era o chamado à missão, típico do cristão, daquele que ama a Cristo e guarda a sua Palavra. Ele o

Casa do Vô Benedito - Amalás de Outubro 2021

Imagem
 

A paciência que o Preto-Velho ensina

Imagem
  Apesar do avanço da vacinação, do baixo número de internações e do número de infectados, aparentemente baixo, a pandemia não acabou. Mesmo vacinados podemos contrair o vírus e propaga-lo infectando assim quem ainda não se vacinou ou a outros que tem baixa imunidade. É uma questão de saúde pública, mas é, principalmente, uma questão de respeito a si e ao próximo. Decretos autorizando retomadas das atividades não significam que tudo está liberado, que o perigo já passou e que não devemos mais ter cautela e cuidado. Não. Os decretos tem seus objetivos e o ser humano, de bom senso, entende isso e segue se cuidando. O momento ainda exige cautela e prevenção, mas não tenho observado isso. Parece que as pessoas retomaram as atividades e estão pouco se importando com a propagação do vírus que é mortal, perigoso e extremamente agressivo. A impressão que tenho é que o número de mortes já não causa mais impacto, que o respeito pela dor de tantas famílias se perdeu. Além do número altíssimo de m