Postagens

Mostrando postagens de Março, 2022

Canto para Iemanjá - por Fernando Sepe

Imagem
  Canto para Iemanjá  por Fernando Sepe    Seu amor infla o coração espiritual e faz a joia que lá reside brilhar como um verdadeiro Sol.  Seu canto nos eleva de forma indescritível.  Sua beleza é sem igual, mas o que mais encanta é seu brilho estrelado. Da cor da Luz quando toca as águas do mar, ou seria da cor das estrelas que se irradiam lá do espaço infinito para a Terra?  Não sei, apenas sei que é indescritível.  A Senhora dos Encantos esteve aqui há pouco. Aliás, ela sempre está, mas a pouco abri meu coração e consegui percebê-la.  Minha amada mãezinha Iemanjá... Ela é a própria Mãe Divina, uma mãe zelosa que tem na humanidade sua grande filha. Não julga, não castiga, apenas ama e ampara... Silenciosamente faz-nos caminhar, e com sua luz estrelada clareia as trevas de nosso coração.  Não importa quão grande seja sua dor, seu remorso, sua angústia, no colo da Mãe, tudo isso é muito pequeno... Ela é Vida. É a vida que está em todos, homens e mulheres. É a vida da natureza, é a vida

Iansã, o raio que ilumina as trevas do ego!

Imagem
  Iansã, o raio que ilumina as trevas do ego!  por Fernando Sepe    Vós surgiste, minha Mãe,  Como uma tempestade. E nos seus olhos eu vi,  A bela face da verdade.    Rainha de encantadores Jacutás, Senhora de todos os Congás. Chuva que acaricia o Ser, Ventania que traz o poder.       Ouço vossa voz melodiosa, E de minha alma mil canções florescem. Entre as brumas, percebo-te esplendorosa,   Dançando entre estrelas que descem.     És a beleza da tormenta, E o brilho do anoitecer. És o raio que acalenta, E o fulgor do amanhecer.     És o som do trovão, E a Justiça de Xangô. És o amor em turbilhão, E o canto de Agô.    És a força da guerra, Que conduz ao campo da paz. És a semeadura da terra, Com os ventos que a semente traz.    És o caminho reto, Que a todos vigia. Vitória, contigo é certa, És a estrela que guia.    Sopro de luz e axé, Rainha de todo Orixá. Flecha veloz na mata de Odé,  Menina dos olhos de Oxalá...    És o ritmo do barravento, Que ensina a dançar na guerra. És a fúria d

Omolu - Orixá da Geração e suas outras formas de representação em culturas diversas

Imagem
  Trono Masculino da Geração  Omolu, Hades, Yama, Anúbis, Arawn, Iwaldi, Tung-Yueh Ta-ti (Tong Yue Dadi), Mictlantecuhtli, Ah puch.  Comentários:  Omolu — Divindade de Umbanda, é o Trono Masculino da Geração, absorve a geração desequilibrada de forma ativa, paralisando o ser propenso a criar em desequilíbrio; cósmico, pune quem dá mau uso ou se aproveita dessa qualidade divina invertendo seu valor e levando a morte no lugar do nascimento da geração. Fator paralisador, ajuda a cessar ações negativas.   Elemento terra que estabiliza, presente nos cemitérios e no mar.  Sua cor é o roxo ou as três juntas: branco, vermelho e preto.  Orixá Masculino que reina no Cemitério junto com Obaluaê. Senhor da Morte.   Hades — Divindade grega, Plutão romano, “O Invisível”, filho de Cronos e Reia, Deus dos mortos que morava no mundo subterrâneo casou-se com Perséfone, filha de Deméter. Possui ainda um cão de três cabeças chamado Cérbero, que desempenha a função de guardião do mundo subterrâneo, ficando

Yemanjá- Orixá da Geração e suas outras formas de representação em culturas diversas

Imagem
Yemanjá- Orixá da Geração e suas outras formas de representação em culturas diversas  Trono Feminino da Geração    Yemanjá, Tétis,  Hera, Nereidas, Sereias Gregas, Parvati, Aditi, Danu, Moruadh, Mut, Aruru, Namur, Belet Ili, Nanshe, Frigga, Belat, Coatlicue, Yngona, mama Cocha, Moruadh, Mariamma, Marah, Derketo, Mari Ama, Ilmatar, Annawan, Bachue, Tiamat.  Comentários:   Yemanjá — Divindade de Umbanda, é o Trono Feminino da Geração, irradia geração o tempo todo de forma passiva não forçando ninguém a gerar ou criar, mas sustentando a todos que buscam “dar vida” e criar. Fator gerador ou “criacionista”.  Elemento água, presente no Mar.  Sua cor é o azul-claro.  É a senhora da geração, da criatividade. Podemos dizer que uma de suas qualidades mais marcantes é a de mãe.  Tétis — Divindade grega, forma com Oceano um casal de Titãs, filhos de Urano e Geia, são as primeiras Divindades Marinhas sendo a maioria dos outros “deuses” e “deusas” do mar seus descendentes. Logo Tétis a titãneida é a

Nanã Buroquê - Orixá da Evolução e suas outras formas de representação em culturas diversas

Imagem
Trono Feminino da Evolução    Nanã Buroquê, Perséfone, Maia, Hécate, Shitala, Hell, Cerridwen, Belet-seri, Ereshkigal, Befana, Baba Yaga, Madder-akka, Cailleach.  Comentários:  Nanã Buroquê — Divindade de Umbanda, é o Trono Feminino da Evolução, absorve o que impede o ser de evoluir de forma natural. Cósmica, pune quem dá mau uso ou se aproveita dessa qualidade divina com más intenções. Fator decantador, ajuda a decantar nossos males e tudo o mais que atrasa nossa caminhada. Aparece como uma velha senhora, arquétipo da avó paciente e sábia.  Elemento água.  Ponto de força nos lagos.  Sua cor é o lilás.  Perséfone — Divindade grega (seus movimentos refletiam as estações do ano). Casada com Hades, filha de Deméter, tornou-se rainha do mundo subterrâneo.  Maia — Divindade grega, Mãe de Hermes, avó de Pã, divindade de culto tão antigo que é considerada pré-helênica, anciã detentora de grande sabedoria e senhora da noite.  Hécate — Divindade grega, Senhora dos mortos e da noite, tinha o dom

Obaluaê - Orixá da Evolução e suas outras formas de representação em culturas diversas

Imagem
Obaluaê - Orixá da Evolução e suas outras formas de representação em culturas diversas Trono Masculino da Evolução   Obaluaê, Caronte, Osíris, Rudra, Taliesin, Enki, Dumuzzi, Ninazu, Mimir, Shou Lao, Gtsitemo.  Comentários:  Obaluaê — Divindade de Umbanda, é o Trono Masculino da Evolução, irradia Evolução o tempo todo de forma passiva, não forçando ninguém a vivenciá-la, mas sustentando a todos que buscam evoluir.  Fator transmutador. Orixá Masculino que junto a Omolu reina no Cemitério, por ser o Senhor das Almas. Também muito evocado como Orixá da cura, já que é senhor das transformações e das passagens, tem facilidade de levar do estado doentio ao estado saudável.  Elemento terra, presente no Mar e cemitério.  Sua cor é o violeta ou branco e preto.  Obaluaê: “Rei das almas do Ayê”, “Senhor das almas”. É considerado um Orixá velho, ancião, coberto de palha da costa.   Caronte — Divindade grega, era o barqueiro velho e mal humorado que atravessava o rio Aqueronte, pelo qual todos os m