Fanatismo não combina com Umbanda



Fanatismo não combina com Umbanda


Tornar-se fanático é substituir o Divino, o essencial, pelo transitório. É se perder no caminho da fé porque já não crê mais em Deus e sim naquilo que Ele pode lhe dar.

O fanático estreita a visão e apenas enxerga o que quer. Não explora possibilidades, engessa o pensamento e nele se fecha até sufocar ou causar danos a quem com ele convive. É hábil em tentar ganhar simpatizantes, porém, seu discurso, pouco provido de fundamento, se perde, se isola em dogmas e preconceitos.

O fanático pensa que a religião dele é a melhor e única.

O fanatismo religioso é a fé que adoeceu porque vê apenas a parte material das coisas negligenciando o Sagrado, o Divino que a todos acolhe. Pretende, com sua fé frágil, salvar a todos a partir de suas crenças.

O fanático se apega a dogmas, tabus, se reveste de falsa santidade. Seu moralismo pode gerar ódio, pois, dessa forma, abandona a luz sagrada do amor que a tudo compreende sem compactuar com o erro, com o desvio da fé verdadeira.

A boa religião, forma bons religiosos, pessoas firmes, éticas, cientes e conscientes de seus compromissos, tanto na fé quanto na sociedade. Para tanto, essa religião precisa ter sua base na liberdade e no respeito ao próximo e a toda forma de vida, além de respeitar a natureza e os direitos dos animais.

Na Umbanda somos livres, qualquer afirmação contrária à isso, foge da essência Umbandista porque não temos dogmas, muito menos o tabu existe em nosso meio.

 Todos são aceitos como são e cada um é responsável pelo seu desenvolvimento em todos os aspectos da vida. Entre nós não cabe o fanatismo e quem se desvia por esse caminho, acaba optando por outra forma de culto que venha a saciar seus anseios.

Sendo Umbandistas, aceitamos todas as religiões com respeito e nos sentimos a vontade em qualquer forma de culto que pratique o bem, sem, com isso, sermos afetados em nossas crenças e convicções.

Para nós a Umbanda é um dos caminhos que nos leva à Deus de forma simples, sincera, sem pre conceitos ou enfaixamentos que os dogmas e tabus trazem. A liberdade de cada um, para nós, tem muito valor porque compreendemos que cada ser estagia numa determinada faixa de evolução, portanto, tudo está bem como está.

Cremos que encontramos Deus na Umbanda quando o encontramos em nós mesmos e nos outros. Quando entendemos que existem muitos caminhos e formas de encontra-lo nos libertamos da necessidade de impor ao outro a nossa fé.


Salve Umbanda!!!

Anna Pon

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Orixá de Frente – Orixá Adjunto – Orixá Ancestral – A natureza humana -

Firmeza e Assentamento (Umbanda)

Características dos filhos dos orixás, personalidade dos filhos de Oxalá, Yemanjá, Oxum, Ogum, Oxossi, Yansã, Xangô