Respeito







A base de todo o bom e saudável relacionamento é o respeito.

Por viver em sociedade, deve o ser humano observar uma série de leis, normas, procedimentos, etc., que tem por dever respeitar para que possa viver harmonicamente com os outros, isso é fato.

Respeitar o outro, porém, no convívio diário, seja familiar, no trabalho, no templo, requer ainda mais cuidado, pois que são relacionamentos emocionais envolventes.

No caso dos templos em geral, o respeito é regra básica. A partir do momento em que se pisa o chão de um templo, mesmo que não seja da religião preferencial daquele que ali comparece, é com respeito que a pessoa deve fazê-lo, mesmo porque foi atraído ao templo por alguma razão e ai já podemos perceber que não apenas o templo deve ser respeitado, mas todos os que ali estão.

As religiões que utilizam a mediunidade como forma de praticar a caridade e o auxilio ao próximo, enfrentam, muitas vezes, o escárnio desrespeitoso dos que não as compreendem, porém, a essa carência de respeito não se devem ater nem as religiões, nem tampouco os médiuns que ali trabalham, mas, uma vez que alguém busque auxilio num templo que utilize a mediunidade como ferramenta de auxilio, observar o devido respeito para com o médium e para com a entidade comunicante não apenas é questão de respeito, mas também de boa educação e senso de oportunidade.

Se o respeito é fator primordial para um bom convívio social, não é menos importante quando se busca ajuda pelas vias da mediunidade, aliás, requer respeito duplo, pois são duas inteligências que ali estão dispostas a ajudar e que merecem todo o respeito por parte de todos e não apenas dos que os buscam a procura de auxílio.

Observar o respeito pelo templo, pelos médiuns e pelos espíritos desencarnados que ali se manifestam para servir em nome do Sagrado é, pois regra a ser seguida por todos, porém, muito mais por aqueles que compõem o grupo não apenas mediúnico, mas também de apoio ao templo. Esses devem, obrigatoriamente, respeitar-se não apenas entre si, mas também a toda e qualquer entidade que venha a se aproximar ou trabalhar com seus irmãos de fé e de ideal.

“Amar ao próximo como a si mesmo”, palavras eternizadas pelo Divino Mestre, referem-se ao respeito que o ser humano deve ter por todos assim como quer ser respeitado, pois o outro, seja espírito liberto da matéria ou encarnado, é seu próximo e como tal deve ser respeitado.

Um templo só resiste ao tempo e às investidas do mal se abrigar em seu seio o respeito, o amor e a paz, virtudes a serem cultivadas por aqueles que ali se reúnem em Nome do Senhor.

Muita Luz a todos,


São os votos de Shaà e Anna

03 de agosto de 2010

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Características dos filhos dos orixás, personalidade dos filhos de Oxalá, Yemanjá, Oxum, Ogum, Oxossi, Yansã, Xangô

Orixá de Frente – Orixá Adjunto – Orixá Ancestral – A natureza humana -

Firmeza e Assentamento (Umbanda)