VOCABULÁRIO Umbanda e Candomblé



VOCABULÁRIO 
Por Renato G. Dias 


Abaixo está um pequeno vocabulário com algumas das palavras e expressões utilizadas em alguns sincretismo surgidos no Brasil. 

Os parênteses colocados após algumas palavras indicam a origem das mesmas. 

A A (iorubá) – Nós. 
Aba (iorubá) – Velho. 
Abadá - Túnica larga e de mangas compridas. 
Abassá (iorubá) - Terreiro, barracão. 
Abassê - Cozinheira que prepara as comidas de santo na tradição jeje. 
Abé (iorubá) – Navalha. 
Abi (iorubá) – Nascer. 
Abiã – Pessoa que frequenta o Candomblé, mas ainda não passou pelos rituais de iniciação, sendo portanto o posto mais baixo da hierarquia do terreiro. 
Aborixá (iorubá) - Adorador de orixá. 
Abrir a gira - Início ou abertura dos trabalhos no terreiro de Umbanda. 
Abrir os caminhos – Ritual da Umbanda que consiste em trabalhos de magia voltados para amenizar os problemas da vida do consulente, desde que seja do merecimento desta pessoa e que não prejudique ninguém. 
Adagã – Cargo do Candomblé que tem o mesmo significado que cambono de despacho na Umbanda. 
Adejá – Aportuguesamento da palavra iorubá adjá. Adjá (iorubá) - Pequeno sino de metal, com até três campânulas, que é sacudido com uma das mãos. 
Afofi (iorubá) - Flatular, eliminar gases. 
Agibonã – O mesmo que jibonã ou mãe criadeira. 
Agô (iorubá) – Licença. 
Agogô (iorubá) - Espécie de sino de metal, com até três campânulas, que é percutido com uma vara de metal. 
Agutã (iorubá) - Carneiro sem chifre. 
Ajá (iorubá) – Cachorro. 
Ajapá (iorubá) – Tartaruga. 
Ajé (iorubá) – Feiticeira. 
Ajeum (iorubá) – Comida. 
Akará (iorubá) - Acarajé (no Brasil). 
Akikó (iorubá) – Galo. 
Akukó (iorubá) – O mesmo que akikó. 
Alá (iorubá) – Cobertura. 

Em algumas religiões sincréticas afro-brasileiras é o nome do dossel branco que acoberta os filhos e filhas-de-santo durante a saída-de-iaô, os noivos no rito de casamento ou dignatários de outros terreiros. 

Alabá (iorubá) – Idoso. 
Alguidar – Vasilha de barro em forma de cone ou bacia. 
Aluá – Bebida feita de milho. 
Alubaça (iorubá) – Cebola. 
Alume (banto) – Homem. 
Amaci – Líquido obtido a partir do sumo de ervas verdes maceradas em água. 
Amalá - Comida de santo. 
Amuleto - Objeto com finalidade protetora que se utilizada geralmente pendurado em um cordão em volta do pescoço ou dentro de um patuá, ao qual se atribui poderes mágicos, dentre os quais os de afastar maus pensamentos e maus fluídos e aproximar os bons pensamentos e bons fluidos. Alguns também são utilizados para atrair riqueza, atrai amor, prevenir doenças, ajudar no processo de cura. Como exemplo de objetos utilizados como amuletos temos: medalhas de santos, figa de arruda, figa de guiné, crucifixos e cruzes, figuras geométricas, inscrição, pedras e cristais. 
Anduro (banto) – Fogo. 
Anganga (banto) – Senhor, senhora. 
Anganga N'Zambi (banto) – Senhor Deus. 
Aparelho – Na Umbanda é sinônimo de médium. 
2 Aquenje (banto) – Menino. 
Arengá (banto) – Tarefa. 
Arirê (banto) – Canto. 
Arquétipo – A forma substancial, a essência das coisas tal como elas se manifestam em nossa mente. 
Arriar obrigações – Deixar frutos, flores, ervas, bebidas, velas e presentes para os Orixás e entidades em determinados locais na natureza. O mesmo que arriar oferendas. Arriar oferendas – O mesmo que arriar obrigações. 
Aruanda (banto) – Céu. 

Na Umbanda designa o plano espiritual onde se reúnem as entidades que trabalham, incorporadas ou não, nos terreiros. 
Assentamento - Conjunto de objetos (louças, ferro, búzios, pedra, etc.) e emblemas (pontos riscados) que representam o Orixá. Cerimônia realizada com o objetivo de firmar o poder do Orixá sobre determinado local para a sua proteção. 
Atá (iorubá) – Pimenta. 
Atabaque – Instrumento de percussão usado nas cerimônias para acompanhar os cânticos aos Orixás, semelhante a um tambor alto e estreito. 
Ataré (iorubá) – Pimenta-da-costa. 
Axé (iorubá) - Força espiritual. 
Axexê – Cerimônia fúnebre do Candomblé. 
Axô (iorubá) – Roupa. 
Ayê (iorubá) – Mundo, terra. 
Azê - Capuz de palha de Obaluaiê. 
Azeite de dendê - Óleo extraído do dendezeiro. 


Babá (iorubá) – Pai. Contração de babalorixá. 
Babá kekerê (iorubá) – O mesmo que pai-pequeno. 
Babalaô (iorubá) - Sacerdote de Ifá; pessoa que joga búzios. 
Babalorixá (iorubá) – O mesmo que pai-de-santo ou zelador de santo. 
Bacuro – O mesmo que elemental. 
Bacuro de Pemba – O mesmo que filho-de-santo. 
Badurá (iorubá) – Rezar. Baixar - Ato no qual as entidades incorporam nos médiuns, numa alusão de que elas viriam do céu para a terra. 
Balangandã – Amuletos, podendo designar também enfeites e ornamentos. 
Balê – No Candomblé designa a casa dos eguns. 
Bamba (banto) – Valente. 
Bambazuó (banto) – Provocação. 
Banda – Lugar, morada. 
Bango – Dinheiro. 
Banho de ervas – Banho ritualístico com finalidade de limpeza energética e/ou energização da aura das pessoas, no qual se utiliza o amaci. 
Barracão – Local onde ocorre os rituais do Candomblé. 
Barundo (banto) – Senhor. 
Bater cabeça - Ritual que consiste em abaixar-se aos pés do Gongá ou de uma entidade e tocar sua cabeça ao chão, em sinal de respeito e humildade. 
Bater para o santo - Ato de percutir os atabaques no ritmo do ponto cantado. 
Batismo dos atabaques – Cerimônia que confere qualificação religiosa aos atabaques, fazendo com que os mesmos deixem de ser meros instrumentos musicais. 
Batismo na Umbanda – Sacramento utilizado em algumas vertentes da Umbanda para estabelecer o ingresso de uma determinada pessoa no corpo de filhos ou filhas-de-santo do terreiro. 
Batuque – Dança, festa. Pode designar também uma religião sincrética brasileira originária do Rio Grande do Sul. 
Bi (iorubá) – Nascer. 
Bombogira – Sinônimo de Pombagira. 
Bori – Ritos do Candomblé utilizados para o fortalecimento espiritual de uma pessoa. 
Breve – O mesmo que patuá. 
3 Burro – Palavra utilizada na Umbanda como sinônimo para médium. 
Búzio – Um tipo de concha, também chamado de cauri, utilizado no passado como moeda na África. 


Cabaça - Vaso feito do fruto maduro do cabaceiro depois de esvaziado o miolo, utilizado também como moringa de água. 
Cabana – O mesmo que centro, tenda. 
Cacimba (banto) – Poço. 
Cacurucai ou cacurucaia (banto) – Velho, velha. 
Cafungê (banto) – Garoto sem vergonha. 
Calundu (banto) – Tristeza. Designa também uma manifestação sincrética do Brasil colonial. 
Calunga (banto) – Mar. 

Na Umbanda é utilizada como redução da expressão calunga pequena. Calunga grande – Expressão utilizada na Umbanda para designar mar, oceano. Calunga pequena – Expressão utilizada na Umbanda para designar cemitério. 

Cambambe (banto) – Cabrito. 
Cambono – Um dos cargos dos terreiros de Umbanda, o qual pode ser ocupado por homens e mulheres e cuja função é auxiliar as entidades incorporadas nos médiuns. Cambono de despacho – Um dos cargos dos terreiros de Umbanda, diretamente subordinado ao pai ou mãe-de-santo, responsável por todas as entregas do terreiro a serem feitas às entidades, podendo ser ocupado por homens e mulheres. 
Camuquengue (banto) – Menino. 
Camutuê (banto) – Cabeça. 
Candaburo (banto) – Galo. 
Candonga (banto) – Briga, intriga. 
Canguro (banto) – Porco. 
Canjerê (banto) – Festa. 
Canjira (banto) – Dança. 
Canzuá – Casa. 
Capungo (banto) – Malvado. 
Cariapemba (banto) – Diabo. 
Carma – Lei segundo a qual cada uma de nossas ações provoca uma reação, que pode se manifestar tanto nesta vida como em outra encarnação, sejam elas boas ou más. 
Casa das almas – Pequena construção de tijolo dedicada aos Pretos e Pretas-Velhas. 
Casa de Exu – Pequena construção de tijolo dedicada aos Exus e Pombagiras, onde se colocam os assentamentos dos mesmos. 
Catita (banto) – Pequeno. 
Cauri – O mesmo que búzio. 
Cavalo – Palavra utilizada na Umbanda como sinônimo para médium. 
Caxicovera (banto) – Doença. 
Centro – O mesmo que cabana, tenda. 
Chefe de cabeça – O mesmo que chefe de coroa. 
Chefe de coroa – Entidade principal de um médium, responsável pela sua orientação moral e por comandar as demais entidades daquele médium. Geralmente é ligado ao Orixá de coroa do indivíduo. 
Chefe de falange - Entidade espiritual muito evoluída, que serve como chefe e orientador de um conjunto de espíritos evoluídos pertencentes a uma mesma falange. 
Chefe de terreiro – Entidade responsável pela direção espiritual do terreiro. 
Choque de retorno - Ação de retorno das más vibrações originadas em um trabalho de magia voltada para o mal, atingindo quem o fez e quem o encomendou. 
Coisa dos santos – Tudo o que se relaciona aos Orixás, entidades e seus poderes atuantes. 
Coisa feita - Trabalho de magia voltada para o mal feito contra alguém. Feitiço. 
Coité – Espécie de cuia feita geralmente da metade de um coco seco. 
Compadre – Sinônimo de Exu.  
Congá – O mesmo que Gongá. 
Congembo (banto) – Morte. 
Consulta – Conversa entre uma pessoa e uma entidade ou entre uma pessoa e o pai ou mãe-de-santo, com o objetivo de buscar orientação moral ou orientação e ajuda sobre um determinado assunto material. 
Coroa bonita – Pessoa bem assistida espiritualmente, como mérito pelos seus esforços em evoluir espiritualmente. 
Corpo fechado – Situação em que nenhum espírito pode fazer o mal a determinada pessoa. Corredor – carro. 
Curiacuca (banto) – Cozinheiro. 
Curiado - Comida dos Orixás ou das entidades. 
Curiandamba (banto) – Velho. 
Curima (banto) – Serviço, trabalho. 
Curimba (banto) – Canto. 

Na Umbanda designa o cântico utilizado como prece ou invocação das entidades, podendo ser utilizado também na abertura e fechamento da gira, nos descarregos e na defumação do ambiente e das pessoas. O mesmo que ponto cantado. 


Dagã – O mesmo que adagã ou sidagã. Dar comida ao santo – Oferendas que se fazem aos Orixás ou entidades como parte de um ritual ou como agradecimento por uma graça alcançada. 
Dar passagem - Ato no qual a entidade desincorpora do médium para que outra entidade nele se incorpore. 
Darma – Acúmulo de todas as experiências vividas pelo espírito ao longo de suas encarnações. 
Deburu (iorubá) – Pipoca. 
Decá - Ritual realizado, em algumas vertentes da Umbanda, na obrigação de 7 anos de iniciação de um filho ou filha-de santo e que lhe confere permissão para abrir o seu próprio terreiro e tornar-se pai-de-santo (se do sexo masculino) ou mãe de-santo (se do sexo feminino). 
Decisa (iorubá) – Esteira. 
Defumação – Ritual de purificação do ambiente e da aura das pessoas, feito com base na fumaça produzida pela queima de certas ervas específicas. 
Demanda – Desentendimento, desavença, briga. Trabalho feito para prejudicar uma pessoa. 
Descarregar – O mesmo que descarrego. 
Descarrego - Limpeza energética, purificação. Ato de afastar vibrações negativas ou maléficas do corpo de alguém ou de um ambiente. 
Descarrego de pipoca – Descarrego de Obaluaiê, no qual é utilizada pipoca obtida através do grão de milho arrebentado na areia quente. 
Desencarnar - Morrer. 
Desenvolvimento - Aprendizado dos médiuns para melhora de sua capacidade mediúnica, de forma a facilitar a incorporação e o trabalho das entidades. 
Desmanchar trabalhos – Ato de anular trabalhos de magia voltada para o mal. 
Despacho – Ritual que consiste na entrega das oferendas aos Orixás ou entidades nos locais de domínio de cada um, sendo um dos mais conhecidos a entrega de oferendas feita aos Exus e Pombagiras nas encruzilhadas para obter sua ajuda e proteção. 
Deus – o Ser Supremo, absoluto e infinito, que está acima de todas as coisas e criaturas. Dharma – O mesmo que darma. 
Dibangulango (Candomblés Bantos) - Guisado de quiabo preparado para o Inquice Nzazi. Dihonjo (Candomblés Bantos) – Banana. 
Dijina – Nome religioso, iniciático, dado por um pai ou mãe-de-santo ao sagrar um filho ou filha de-santo chefe de terreiro. 
Dikende (Candomblés Bantos) - Massa de feijão fradinho embrulhada na folha de bananeira. 
Dudu (iorubá) - Preto, escuro.
Dumba – Esposa, mulher, companheira.

 E 

Ebâmi (iorubá) – Médium feminino com mais de 7 anos de iniciação. 
Ebó – Ritual do Candomblé que consiste na oferenda alimentar ou sacrifício de animal feito em homenagem às divindades para obter sua ajuda e proteção na solução de problemas. Ebomi – Aportuguesamento da palavra iorubá ebâmi. 
Edé (iorubá) – Camarão. 
Edi (iorubá) - Nádega, ânus. 
Edu (iorubá) – Carvão. 
Efum (iorubá) - Espécie de giz branco usado em rituais próprios. 
Egum (iorubá) - Espírito desencarnado, espírito dos ancestrais. 
Ejá (iorubá) – Peixe. 
Ejé (iorubá) – Sangue. 
Ekê (iorubá) - Mentira, farsa. 
Ekede – Cargo do Candomblé reservado às mulheres que não entram em transe mediúnico, cuja função é auxiliar as entidades incorporadas nos médiuns. 
Eledá - Anjo da guarda. 
Elemental – Espírito da natureza que jamais teve corpo físico. 
Emi (iorubá) - Hálito, respiração, vida. 
Emu (iorubá) - Vinho de palma. 
Encantados – Espíritos da natureza ou indivíduos que teriam se encantado, ou seja, que teriam passado a existir em outro plano sem nunca terem morrido. 
Encantamento – Feitiço, mandinga. 
Encosto – Pertubações de ordem física e emocional causadas por quiumbas. 
Encruza – Ritual realizado pelo dirigente de culto ou pelo chefe de terreiro, que consiste em traçar cruzes com pemba nas pessoas a fim de protegê-las de qualquer mal. Pode ser também a contração de encruzilhada. 
Encruzilhada - Local de domínio dos Exus e Pombagiras, formado pela interseção de dois ou mais caminhos (ruas, vias férreas, etc.). 
Eni (iorubá) – Esteira. 
Entidades – Espíritos que trabalham na Umbanda utilizando uma forma perispiritual tipificada, tais como: Caboclos e Caboclas, Pretos-Velhos e Pretas-Velhas, Crianças, Oguns, Exus, Pombagiras, etc. 
Enu (iorubá) – Boca. Enviado de Orixá – Espírito extremamente evoluído, que quando incorpora transmite muita energia positiva e sentimentos de harmonia, paz e bem-estar. Epô (iorubá) - Óleo, azeite. 
Eran (iorubá) – Carne. 
Erê – Criança. 
Eró - Segredos e ensinamentos revelados aos médiuns durante seu desenvolvimento no terreiro. 
Erô (iorubá) - Calmante, que traz calma. 
Espírita – Originalmente era o espiritualista que também acreditava nas manifestações dos espíritos. Atualmente designa apenas os seguidores do espiritismo. Espiritismo – Originalmente era a doutrina espiritualista que acreditava nas manifestações dos espíritos. Atualmente designa apenas a religião codificada por Alan Kardec na França do século XIX. Essa religião também é conhecida como Kardecismo no Brasil. 
Espírito – A essência verdadeira, imortal e inteligente do ser. 
Espírito de direita – O mesmo que espírito de luz. 
Espírito de esquerda - O mesmo que espírito imperfeito. 
Espírito de luz - Espírito que atingiu certo nível de evolução, estando apto a dar orientações morais e possuindo pouco ou nenhum apego a matéria. 
Espírito iluminado – o mesmo que espírito de luz.  
Espírito imperfeito - Espírito pouco evoluído, muito apegado à matéria. 
Espírito obsessor - O mesmo que quiumba, obsessor, rabo de encruza. 
Espiritualismo – Crença baseada na existência de espíritos. 
Espiritualista – O que se refere ao espiritualismo. 
Etu (iorubá) - Galinha d'Angola. 
Ewe ou Ewê (iorubá) - Folhas, ervas. 
Eyelé (iorubá) – Pombo. 


Falange – Subdivisão das linhas espirituais na Umbanda. 
Falangeiro – O mesmo que Enviado de Orixá. 
Fazer o santo – Iniciação no Candomblé que consiste na realização de diversos rituais privados, tais como a raspagem do cabelo e a sacralização dos assentamentos através do sacrifício de animais. 
Fechar a gira - Encerramento dos trabalhos no terreiro de Umbanda. 
Feitiço - Irradiação de forças maléficas contra alguém, seja por meio de rituais de magia ou pela força do pensamento. 
Encantamento, mandinga. 
Filha-de-santo – Pessoa do sexo feminino iniciada na religião. 
Filho de fé - Denominação para adeptos da Umbanda. 
Filho-de-santo – Pessoa do sexo masculino iniciado na religião. 
Firmar – Concentrar energia mental. 
Firmar o anjo-da-guarda - Fortalecer o anjo-da-guarda do médium por meio de rituais especiais e oferendas de comidas votivas. 
Firmar o ponto - Concentração coletiva sobre determinado ponto cantado. 
Firmeza - O mesmo que segurança. Conjunto de objetos com axé que protegem o terreiro e constituem sua base espiritual. 
Fluídos - Emanações energéticas espirituais que podem ser manejadas para o bem ou para o mal. 
Fumpa (Candomblés Bantos) - Milho vermelho, cozido ou torrado, enfeitado com kamusoso. 
Fundamento – Base doutrinária sobre a qual se apóia a religião. 
Fundanga - Pólvora. 
Funfun (iorubá) – Branco. 


Gafioto – Menino, criança. 
Gira – Aportuguesamento da palavra banto ongira. 
Na Umbanda designa a cerimônia na qual ocorre a incorporação de determinadas entidades, de forma que as mesmas possam realizar o desenvolvimento dos médiuns (gira de desenvolvimento) ou os seus trabalhos de caridade, através da consulta e dos passes (giras públicas). 
Girar – Rodar, dançar. Ir embora. 
Gongá – Altar onde são colocados as imagens dos santos católicos ou dos Orixás africanos. 
Guia – Entidade espiritual da Umbanda. Designa também o colar ritualístico que representa determinada entidade, feito a partir de contas de miçangas, cristal ou porcelana. 
Gungunar (banto) – Resmungar. 
Gururu (iorubá) – O mesmo que deburu. 

 H 

Hora grande – Meia-noite. 
Homem das encruzilhadas - Exu. 


Iabá – Contração de Iabassé. Iabassé – Mulher responsável pela cozinha do terreiro e pela confecção de toda e qualquer comida necessária nos trabalhos, incluindo a comida dos Orixás. 
Iakekerê - Aportuguesamento da palavra iorubá iyá kekerê. 
Ialorixá – Aportuguesamento da palavra iorubá iyalorixá. 
Iaô – Aportuguesamento da palavra iorubá iyawô. 
Ibá (iorubá) - Conjunto de tigelas de louça, barro ou outro material onde o Orixá no Candomblé é assentado. 
Ibi (iorubá) - Caracol que é oferecido a Oxalá. 
Idi (iorubá) - O mesmo que edi. 
Ijexá (iorubá) - Toque típico da Oxum. Uma das nações do Candomblé de Nação Nagô. 
Ijô (iorubá) – Dança. 
Iku (iorubá) – Morte. 
Ilê (iorubá) - Casa, terreiro, barracão. 
Ilu (iorubá) - Tipo de toque. 
Tambor. Inã (iorubá) – Fogo. 
Incorporação - Transe, possessão mediúnica. 
Incorporar – Ato de entrar em transe mediúnico. 
Injara (banto) – Fome. 
Ipadê (iorubá) - Reunião, cerimônia pública. Farofa oferecida a Exu. 
Irum (iorubá) - Cabelo, pêlo. 
Itacó (banto) – Assento. 
Itan (iorubá) - Lendas, histórias. 
Iyá (iorubá) – Mulher, mãe. 
Iyá kekerê (iorubá) – O mesmo que mãe-pequena. 
Iyalodê (iorubá) - Mulher importante. 
Iyalorixá (iorubá) – O mesmo que mãe-de-santo, zeladora de santo. 
Iyawô (iorubá) – Esposa. Pessoa que está se iniciando. Em algumas religiões sincréticas brasileiras designa o filho ou filha de-santo do momento que é iniciado até a realização da obrigação de sete anos de iniciação. 
Iyayá (iorubá) – Avó. 
Iyê (iorubá) – Mãe. Iyó (iorubá) – Sal. 


Jacutá – Lançador de pedras. 
Jamba (banto) – Ouro. 
Janaína – Um dos nomes de Iemanjá. 
Jeum (iorubá) – Comer. 
Jibonã – O mesmo que agibonã ou mãe criadeira. 
Jo (iorubá) – Dançar. Jogo de búzios – Processo divinatório de origem africana no qual são utilizadas pequenas conchas denominadas búzios ou cauris para realizar previsões sobre o futuro. Na África o jogo só pode ser realizado por babalaôs. 
Jurema – Local em Aruanda onde residiriam os Caboclos e Caboclas. É também o nome de uma Cabocla. 


Kamusoso (Candomblés Bantos) – Cipó-chumbo. 
Kangika (Candomblés Bantos) - Milho branco cozido com coco. 
Kaô - Saudação à Xangô. 
Kardecismo - O mesmo que Espiritismo. 
Kardecista – O mesmo que espírita. 
Karma – O mesmo que carma. 
Kavula (Candomblés Bantos) – Couve. 
Kekerê (iorubá) – Pequeno. 
Kidobo (Candomblés Bantos) - Milho branco cozido temperado com dendê. 
Kikua (Candomblés Bantos) – Batata. 
Kimbambule (Candomblés Bantos) – Goiaba. 
Kindumba (Candomblés Bantos) – Salsa. 
Kingombo (Candomblés Bantos) – Quiabo. 
Kitaba (Candomblés Bantos) - Amendoim torrado e moído, temperado com mel ou dendê. Kitande (Candomblés Bantos) - Guisado de feijão fradinho. 
Kiumba – O mesmo que quiumba. 
Kivúdia (Candomblés Bantos) - Guisado de quiabo preparado para o Inquice Nvunji. 
Ko (iorubá) – Não. 
Korin (iorubá) - Cântico, cantiga. 
Kôssi (iorubá) – Nada. 
Ku (iorubá) – Morrer. 
Kupiri (Candomblés Bantos) - Pimenta da costa. 
Kusuangala (Candomblés Bantos) - Pirão de arroz, temperado com azeite. 
Kuziká (banto) – Ato sexual. 


Labalaba (iorubá) – Borboleta. 
Lamba (banto) – Infortúnio. 
Larvas astrais – Seres maléficos que se prendem nas auras das pessoas para delas sugarem energia vital. As larvas sempre buscam lugares onde exista sangue. 
Lavagem das contas – Ritual que consiste em lavar as guias com o amaci, visando a purificação e energização das mesmas. 
Lavagem de cabeça – O mesmo que ritual do amaci. 
Lé (iorubá) – O atabaque de menor tamanho. 
Legião - O mesmo que falange. 
Lei de Umbanda - A crença da Umbanda e dos umbandistas. 
Linha – Faixa de vibração espiritual que agrupa as entidades na Umbanda e as identifica por meio de cânticos, doutrinas ou rituais próprios. 
Linha branca - Rituais visando unicamente o bem, no qual se trabalha apenas com espíritos de direita. 
Linha das Almas – Linha da Umbanda que congrega os Pretos e Pretas-Velhas. 
Linha do Oriente – Linha da Umbanda que congrega as entidades que se apresentam como povos do oriente, sendo os Ciganos e Ciganas um dos mais conhecidos. 
Loso (Candomblés Bantos) – Arroz.  
Lúmbua (Candomblés Bantos) – Cebola. 


Magia – Utilização das forças da natureza no sentido de tentar transformar as coisas, de mudar o destino. 
Magia branca – Forma popular de designar a magia voltada para o bem, de caráter altruísta. 
Magia negra – Forma popular de designar a magia voltada para o mal, de caráter egoísta. M'banga (banto) – Pênis. 
M'bembo (banto) – Homem branco. 
Macaia (banto) – Erva. Na Umbanda designa a mata cortada por rio(s) e cachoeira(s). Maconga (banto) – Cantiga. 
Macuco (banto) – Mulher velha. 
Macumba – Antiga religião sincrética brasileira, atualmente extinta. Atualmente esse termo passou a designar magia. 
Mãe criadeira - Responsável pelo filho ou filha-de-santo recolhido durante o período de obrigação. O mesmo que jibonã. 
Mãe d'água – Iemanjá. 
Mãe-de-santo – Mulher que ocupa o mais alto grau da hierarquia religiosa dentro de um terreiro, responsável por iniciar os adeptos e zelar pela vida espiritual dos filhos e filhas-de-santo. O mesmo que iyalorixá, ialorixá, yalorixá ou zeladora de santo. 
Mãe-pequena – Mulher que é a auxiliar direta do pai ou mãe-de-santo, sendo a segunda na hierarquia do terreiro. No caso de mais de uma mãe-pequena, as responsabilidades do cargo são compartilhadas entre elas. O mesmo que iyá kekerê, iakekerê ou yakekerê. Makanza (Candomblés Bantos) - Bolo de feijão fradinho frito. 
Makunde (Candomblés Bantos) - Feijão preto temperado com dendê. 
Maleme (iorubá) – Perdão. 
Malufo (Candomblés Bantos) – Vinho. 
Malungo (banto) – Da mesma idade. 
Mameto (banto) – Mãe. 
Mandinga - Feitiço, encantamento. 
Manifestação - Incorporação, transe mediúnico. 
Manjangue (banto) – Irmão. 
Mana – Irmã. 
Mano – Irmão. 
Mão-de-faca - O mesmo que ogã axogum ou ogã atoxogum. 
Marafo - Aguardente, cachaça. 
Masambala (Candomblés Bantos) - Milho vermelho cozido enfeitado com rodelas de goiaba. 
Masana (Candomblés Bantos) – Leite. 
Masangu (Candomblés Bantos) – Pipoca. 
Mateca (Candomblés Bantos) - Banha de carneiro. 
Matema (Candomblés Bantos) – Café. 
Matombô (banto) – Mandioca, aipim. 
Mau-olhado – Vibração má emitida pelo olhar de pessoas invejosas. 
Maza (Candomblés Bantos) – Água. 
Mazi (Candomblés Bantos) – Azeite. 
Mbiji (Candomblés Bantos) – Peixe. 
Médium - Pessoa que serve de intermediário entre o mundo físico e o espiritual. Mediunidade – Faculdade de servir de intermediário entre o mundo físico e o espiritual. Menga – Sangue. 
Menha (Candomblés Bantos) – Água. 
Mesa branca – Nome utilizado por algumas entidades para designar o Espiritismo. Miçangas – Contas miúdas, podendo ter formatos e cores variadas. 
Mina – Quando refere-se a escravo, significa o indivíduo da etnia sudanesa. 
Mironga (banto) – Segredo, mistério. 
Mo (iorubá) – Eu. 
Mojimbá – Um tipo de ritual de limpeza da aura. 
Mojumbá – Uma das saudações a Exu.  
Monjoló (iorubá) - Colar vermelho usado pelas Oloyá, com uma conta amarelo-ouro simbolizando sua ligação com Oxum. 
Monoteísmo – Crença em um deus único. 
Mossoroca (banto) – Chuva forte. 
Muenge (Candomblés Bantos) - Espiga de milho assada. 
Mukende (Candomblés Bantos) - Banana da terra frita no dendê. 
Mukolo (Candomblés Bantos) – Alho. 
Mukunga (Candomblés Bantos) - Papa de milho branco ou vermelho embrulhada na folha de bananeira. 
Mumata (Candomblés Bantos) – Tomate. 
Múngua (Candomblés Bantos) – Sal. 
Mutamba (banto) – Moça bonita. 


Nagô – Nome dado ao escravo de origem iorubá durante o período escravista brasileiro. Também conhecido como mina. 
Najé (iorubá) - Prato ou vasilhas de barro vitrificado. 
Ndiba (Candomblés Bantos) - Mingau de farinha de milho branco. 
Ndimba (banto) – Cantador. 
Ndungu (Candomblés Bantos) – Pimenta. 
Nganga (banto) – Feiticeiro, sacerdote. 
Ngombe (banto) – Boi. 
Nguala (Candomblés Bantos) – Aguardente. 
Nguba (Candomblés Bantos) - Amendoim torrado. 
Nhorrã (banto) – Cobra. 
Nzambi (banto) – Deus. 


Obá (iorubá) – Rei. 
Obatalá – O Orixá supremo da tradição iorubá, criador dos seres humanos. No Brasil é mais conhecido como Oxalá. 
Obé (iorubá) – Faca. 
Oberó (iorubá) – Alguidar. 
Obi (iorubá) - Noz de cola. 
Obrigação – Cerimônia ou oferenda ritual feita às entidades, seja com o objetivo de auxílio ou como parte de um ritual de desenvolvimento mediúnico que pode incluir ou não a feitura para o santo. 
Obsessão – Pertubação espiritual provocada por quiumbas que pode levar a pessoa obsediada a sofrer problemas de saúde física, emocional e/ou mental, como também provocar situações econômicas difíceis. 
Obsessor – O mesmo que espírito obsessor, quiumba, rabo de encruza. 
Ocaiá (banto) – Fumo. 
Oca – casa indígena. 
Ocara (banto) – Café. 
Ochito (banto) – Carne. 
Odara (iorubá) - Bom, grande, gostoso, bonito. 
Odé (iorubá) – Caçador. 
Odo ou Odô (iorubá) – Rio. 
Odoiá – Aportuguesamento da palavra odoyá. Odoyá - Saudação à Iemanjá. 
Odu (iorubá) - Destino, caminho. 
Ofá (iorubá) – Arco-e-flecha. 
Oferenda – Presente.  
Ogã – Cargo reservado aos homens que não entram em transe mediúnico, cuja função é auxiliar o pai ou mãe-de-santo. 
Ogã alabê – Ogã encarregado de tocar os atabaques e de cantar as curimbas, subordinado ao ogã calofé. 
Ogã atoxogum – Ogã responsável pelo sacrifício de animais de duas patas, preparado especialmente para realizar o ritual causando o mínimo de sofrimento ao animal sacrificado. 
Ogã axogum – Ogã responsável pelo sacrifício de animais de quatro ou de duas patas, preparado especialmente para realizar o ritual causando o mínimo de sofrimento ao animal sacrificado. 
Ogã calofé – Ogã responsável por toda a curimba a ser puxada no terreiro e instrutor de toques de atabaque. 
Ogã de curimba – Ogã encarregado de cantar as curimbas, subordinado ao ogã calofé. Ogunhê – Saudação à Ogum. 
Ojá (iorubá) - Tecido para se amarrar na cabeça. 
Oju (iorubá) – Olho. 
Okê Arô - Saudação à Oxóssi. 
Okê Caboclos - Saudação aos Caboclos. 
Okê Odé - Saudação à Oxóssi. 
Okó (iorubá) – Homem. 
Okum (iorubá) – Mar. 
Olho grande – Inveja, olho gordo. 
Olho gordo – Inveja, olho grande. 
Olho-de-boi - Semente de Tucumã, utilizada como proteção contra mau-olhado. 
Oló – mundo astral, espiritual. 
Olodumaré – O mesmo que Olorun. Olorum – Aportuguesamento da palavra iorubá Olorun. Olorun (iorubá) – Senhor do céu, divindade suprema na crença iorubá. 
Oloyá (iorubá)- Sacerdotisa do culto à Iansã. 
Oluô (iorubá) - Pessoa que sabe o jogo de Ifá. 
Ombera (banto) – Chuva. 
Ombingá (banto) – Magro. 
Omboá (banto) – Cachorro. 
Omenha (banto) – Água. 
Omerá (banto) – Sal. 
Omi (iorubá) – Água. 
Omi dudu (iorubá) – Café. 
Omo (iorubá) – Filho. 
Omolocô – Religião sincrética brasileira, com raiz na tradição religiosa do povo Lunda, da região de Quiôco, em Angola. 
Omolokô – Variação da palavra Omolocô. 
Omungá (banto) – Fogo. 
Onã (iorubá) – Caminho. 
Ondaca (banto) – Língua. 
Ongira (banto) – Caminho, estrada, rua. 
Ongolê (banto) – Arco-íris. 
Ongoró (banto) – Cavalo, égua. 
Onguro (banto) – Porco. 
Oni-Beijada – saudação às Crianças. 
Oningã (banto) – Mau cheiro. 
Onjeque (banto) – Milho. 
Onjerê (banto) – Cabelo. 
Onjó (banto) – Casa. 
Ôpá Xorô - Cajado de metal utilizado por Oxalá. 
Oquepá (banto) – Osso. 
Ori (iorubá) – Cabeça. 
Orin (iorubá) – Cantiga. 
Orixá – Divindades da tradição iorubá criadas por Olorun e que são representadas pelas forças da natureza. Na Umbanda designa as emanações energéticas de Zambi. 
Orixás de cabeça – O mesmo que Orixá de coroa. 
Orixás de coroa – Patronos espirituais de um indivíduo, sendo um Orixá de princípio masculino e um de princípio feminino. 
Orixá-Nla (iorubá) – Orixá supremo, um dos títulos de Obatalá.  
Orixalá – Aportuguesamento da palavra iorubá Orixá-Nla. 
Oronanga (banto) – Roupa. 
Orongaje (banto) – Cachaça. 
Orossanje (banto) – Galinha. 
Orun (iorubá) – Céu. 
Orunkó (iorubá) – Nome. Em algumas religiões sincréticas brasileiras tem o mesmo significado de dijina. 
Osi (iorubá) – Esquerda. 
Ossenhê (banto) – Lua. 
Osum (iorubá) - Pó vermelho usado em rituais. 
Otá (iorubá) – Pedra. 
Otequê (banto) – Dia. 
Oti (iorubá) – Cachaça. 
Otombô (banto) – Farinha. 
Otum (iorubá) – Direita. 
Oxalá – Contração de Orixalá. O Orixá supremo da Umbanda e dos Candomblés de Nação da tradição nagô. 


Padê – Aportuguesamento da palavra iorubá ipadê. 
Pai-de-santo - Homem que ocupa o mais alto grau da hierarquia religiosa dentro de um terreiro, responsável por iniciar os adeptos e zelar pela vida espiritual dos filhos e filhas-de-santo. O mesmo que babalorixá ou zelador de santo. 
Pai-pequeno – Homem que é o auxiliar direto do pai ou mãe-de-santo, sendo o segundo na hierarquia do terreiro. No caso de mais de um pai-pequeno, as responsabilidades do cargo são compartilhadas entre eles. O mesmo que babá kekerê. 
Paramentos - Roupas e objetos utilizados nas cerimônias religiosas. 
Parongo (banto) – Carneiro. 
Passe - Ato no qual uma entidade incorporada em um médium ou o próprio médium emite vibrações positivas e fluido magnético vital com fins de descarrego (passe de descarrego) ou de energização (passe de energização). 
Patuá – Pequeno saco feito de pano ou de couro e que contém um amuleto em seu interior, geralmente utilizado pendurado na roupa ou guardado no bolso ou na bolsa. 
Paxorô – O mesmo que Ôpá Xôrô. 
Pedra de raio – Meteorito. 
Peji (iorubá) – O mesmo que Gongá. 
Pejigã (iorubá) - Ogã que cuida do Peji. 
Pemba – Pequeno bastão em formato elíptico, semelhante a um giz, utilizado na Umbanda para riscar pontos e outras determinações ordenadas pelas entidades, podendo ser de diversas cores: branco, vermelho, amarelo, rosa, roxo, azul, marrom, verde e preto. Perispírito – Envoltório semi material do espírito. Nos espíritos encarnados serve de intermediário entre ele e a matéria. Nos espíritos desencarnados, constitui o seu corpo fluídico. 
Perna de calça - Palavra utilizada pelas entidades da Umbanda como sinônimo para homem. 
Pito – Cachimbo, charuto. 
Politeísmo – Crença em vários deuses. 
Ponto cantado – O mesmo que curimba. 
Ponto riscado – É o mais poderoso instrumento de magia utilizado na Umbanda, consistindo de um conjunto de símbolos feitos com pemba e agrupados de forma a movimentar energias. Também pode ser utilizado para identificar o espírito na Umbanda, sendo nesse caso, único para cada espírito. 
Porteira - Entrada do terreiro. 
Povo da encruza – Expressão utilizada para designar os Exus e Pombagiras. 
Povo de rua – Expressão utilizada para designar os Exus e Pombagiras. 
Preceito – Determinação, prescrição feita para ser cumprida pelos filhos de fé. 
Presságio – Sinal, aviso de algum acontecimento no futuro. 
Pupá (iorubá) – Vermelho. 
Puxar o ponto - Iniciar um ponto cantado.  


Quartinhas - Vasilha de barro ou de louça (branca ou de cor), onde se firma o poder do Orixá de determinado indivíduo, sendo geralmente sem alças para Orixás “masculinos” e com alças para Orixás “femininos”. 
Quebranto - Mau olhado, feitiço. 
Quebrar as forças - Neutralizar o poder de qualquer feitiço, seja para o bem ou para o mal. Quebrar preceito - Desrespeitar as regras e hábitos estabelecidos no ritual ou nos trabalhos. 
Quelê – Colar de contas que os iniciados do Candomblé usam rente ao pescoço, durante algum tempo, como símbolo de recente iniciação. 
Quenga (banto) – Vasilha. 
Quimbanda – Religião sincrética brasileira cujo culto é dedicado quase que exclusivamente aos Exus pagãos e Quiumbas, onde ocorre a prática de magia voltada para o mal visando favorecer ou prejudicar determinadas pessoas. 
Quimbundo (banto) – Negro. 
Quinar – Ato de macerar ervas verdes em água. 
Quipungo (banto) – Chapéu. 
Quissamã (banto) – Cemitério. 
Quitute (banto) – Gostoso. 
Quiumba – Na Umbanda designa o espírito que se compraz em praticar o mal, que procura transmitir aos encarnados idéias de desânimo, ódio, raiva, suicídio e todos os sentimentos negativos, além de suscitar violência entre pessoas, sendo também mistificadores que procuram se passar por espíritos mais evoluídos para melhor enganarem, porém sem conseguirem manter a farsa por muito tempo. O mesmo que espírito obsessor, obsessor, rabo de encruza. 
Quiumboto (banto) – Sapo. 
Quizila – Proibição ritual, temporária ou permanente, imposta pelo Orixá ao seu filho ou filha. 
Quizongo (banto) – Reunião. 


Rabo de encruza – O mesmo que espírito obsessor, obsessor, quiumba. 
Rabo de saia - Palavra utilizada pelas entidades da Umbanda como sinônimo para mulher. Raspar para o santo – O mesmo que fazer o santo. 
Receber mentalização - Comunicar-se mentalmente com uma entidade. 
Receber o santo – Ato de incorporar um espírito. 
Reencarnação - Ato de um espírito voltar à vida terrestre, tomando um corpo novo, de forma a continuar sua evolução espiritual. 
Religião – Sistema filosófico e moral que, em geral, estabelece o culto a uma ou mais divindades. 
Riscar o ponto – Ato em que determinada entidade identifica-se através do seu ponto riscado. 
Ritanga (Candomblés Bantos) – Abóbora. 
Ritual – Cerimônia formal, geralmente de caráter religioso, que segue regras rígidas respeitadas por todos os participantes. 
Ritual do amaci – Um dos mais importantes rituais da Umbanda, no qual é feito a lavagem da cabeça dos filhos e filhas-de santo com o amaci, objetivando a energização da aura dos mesmos e o fortalecimento da ligação deles com seus chefes de coroa. 
Roça – O mesmo que ilê. 
Roncó – Quarto onde são realizados os rituais privados da iniciação. Lugar reservado do terreiro onde os assentamentos dos Orixás são cultuados. 
Rum (iorubá) - O atabaque de maior tamanho. 
Rumpi (iorubá) – O atabaque de tamanho médio.  


Sacudimento – Ritual de descarrego realizado nas pessoas. 
Saída-de-iaô - Festa pública de apresentação do iniciado após uma obrigação. 
Saluba ou Salubá – Saudação de Nanã. 
Samba (banto) – Dançarina. 
Santeria – Religião sincrética caribenha, semelhante ao Candomblé. 
Saravá - Saudação umbandista que corresponde a Salve! 
Segui (iorubá) - Contas tubulares, geralmente azuis. 
Segurar a gira – Responsabilidade tomada pelo chefe de terreiro, a fim de não permitir pertubações físicas e espirituais na gira. 
Sengüe (banto) – Mata, floresta. 
Sessão – O mesmo que gira. 
Sidagã – O mesmo que adagã ou dagã. 
Simpatia – Rituais simples de magia, utilizados para atrair riqueza, atrair amor, prevenir doenças, auxiliar na cura, etc. 
Sincorá (banto) – Mulata. 
Sincretismo - Fenômeno de associação entre duas ou mais religiões. No Brasil, o exemplo mais visível do sincretismo é a associação entre Orixás e santos católicos. Subir - Ato no qual as entidades desincorporam dos médiuns, numa alusão de que elas voltariam da terra para o céu. 
Sukidi (Candomblés Bantos) – Açúcar. 


Taba – Conjunto de ocas. 
Taba (iorubá) – Tabaco. 
Tacape – Uma das arma de guerra ameríndia, constituída de um pedaço de pau grosso e em formato roliço. 
Talismã – o mesmo que amuleto. 
Tata (banto) – Pai. 
Tenda – Templo de Umbanda. O mesmo que cabana, centro. 
Terreiro – Local onde ocorre os rituais no interior do templo de Umbanda. Pode designar também o templo de Umbanda em si, nesse caso é o mesmo que cabana, centro e tenda. Toque – Festa pública do Candomblé em homenagem aos Orixás. 
Transe mediúnico – Estado do médium quando nele manifesta um espírito. 
Tuia (banto) – Pólvora. 


Uanga (banto) – Feitiço. 
Uiki (Candomblés Bantos) – Mel. 
Uoneme (banto) – Grande. 
Urundungo (banto) – Pimenta. 

V

 Vinganga (banto) – Arroz. 
Vissungo (banto) – Cantiga. 
Vodu - Religião sincrética haitiana. Popularmente designa feitiço, magia ou trabalho feito para o mal. 
Vodun – Divindades da tradição jeje. 
Vumbi (banto) – Defunto recente. 


Waji (iorubá) - Pó azul marinho ou índigo, extraído de diferentes tipos de árvores, usado em rituais. 


Xaorô (iorubá) – Guizo. 
Xerê (iorubá) - Espécie de chocalho. 
Xirê (iorubá) - Roda de Orixás. 
Xutu (Candomblés Bantos) – Carne. 


Yalorixá – Aportuguesamento da palavra iorubá iyalorixá. 
Yakekerê - Aportuguesamento da palavra iorubá iyá kekerê. 


Zabelê (banto) – Vaidoso. 
Zalata (Candomblés Bantos) - Alface e chicória. 
Zambi – Aportuguesamento da palavra banto Nzambi. Palavra utilizada pela Umbanda para designar Deus. 
Zara (banto) – Fome. 
Zelador de santo – O mesmo que pai-de-santo ou babalorixá. 
Zeladora de santo – O mesmo que mãe-de-santo, iyalorixá, ialorixá ou yalorixá. 
Zungu (banto) – Cova, buraco. 


 Fontes Consultadas LIVROS 16 ASSUNÇÃO, Luiz Carvalho de. Reino dos mestres: a tradição da jurema na umbanda nordestina. Rio de Janeiro: Pallas, 2006. BUENO, Eduardo. Brasil: uma História. 1. ed. São Paulo: Editora Ática, 2003. DEL PRIORE, Mary; VENÂNCIO, Renato Pinto. O livro de ouro da História do Brasil. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001. DEL PRIORE, Mary; VENÂNCIO, Renato Pinto. Uma história da vida rural no Brasil. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006. DORLING KINDERSLEY LIMITED. Atlas da história do mundo. 2. ed. Londres: Dorling Kindersley Limited, 2005. OMULU, Caio de Umbanda Omolokô: liturgia, rito e convergência (na visão de um adepto). São Paulo: Ícone, 2002. PIERUCCI, Antônio Flávio. Apêndice: As religiões no Brasil. In: GAARDER, Jostein; HELLERN, Victor; NOTAKER, Henry. O livro das religiões. São Paulo: Companhia das Letras, 2000, (p. 281-302). RODRIGUES, Jaime. De costa a costa: escravos, marinheiros e intermediários do tráfico negreiro de Angola ao Rio de Janeiro (1780-1860). São Paulo: Companhia das Letras, 2005. SILVA, Vagner Gonçalves da. Candomblé e Umbanda: caminhos da devoção brasileira. 2. ed. São Paulo: Selo Negro, 2005. PERIÓDICOS CALAINHO, Daniela Buono. Feiticeiros negros no Brasil colonial. Nossa História, São Paulo, Editora Vera Cruz, ano 2 , n. 18, p. 67-71, abr. 2005. SILVEIRA, Cadu. A religião dos encantados. Revista Destino, Rio de Janeiro, Editora Globo, Ano VI, n. 95, p. 42 – 45, mai. 1995. SOARES, Carlos Eugênio Líbano. O reino do zungu. Nossa História, São Paulo, Editora Vera Cruz, ano 3 , n. 29, p. 46-49, mar. 2006. SOUZA, Laura de Mello e. Calundu e seus significados. Nossa História, São Paulo, Editora Vera Cruz, ano 1 , n. 7, p. 98, mai. 2004. VAINFAS, Ronaldo. Santos e rebeldes. Revista de História, Rio de Janeiro, Fundação Biblioteca Nacional, ano 1, n. 1, p. 40- 44, jul. 2005. INTERNET BORBA, Ivan. Culto Omolocô ou Umbanda Primitiva. Disponível em http://br.geocities.com/borbaivan/. Acesso em 04 set. 2007. BRESCANCINI, Adriana. Tambor de Mina. Disponível em http://www.girasdeumbanda.com.br/tambordemina.asp. Acesso em 05 Jun. 2008. DAMASCENO, Walmir. Algumas normas e regras que permeiam o candomblé de tradição angola-kongo. Disponível em http://www.afropress.com/colunistasLer.asp?id=66. Acesso em 26 fev. 2008. FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE ESTUDOS DAS TRADIÇÕES RELIGIOSAS E CULTO AOS ANCESTRAIS AFRO-BRASILEIROS. Candomblé de Angola. Disponível em http://www.fietreca.org.br/candombleangola.htm. Acesso em 04 mar. 2008. FERRETI, Mundicarmo Maria Rocha. As religiões afro-brasileiras no Maranhão. Disponível em www.cmfolclore.ufma.br/levantamentos/IndiceAutor-novo.doc. Acesso em 05 jun. 2008. FERRETI, Mundicarmo Maria Rocha. Repensando o turco no Tambor de Mina. Disponível em http://www.afroasia.ufba.br/pdf/afroasia_n15_p56.pdf. Acesso em 05 jun. 2008. 17 FERRETI, Mundicarmo Maria Rocha. Tambor de mina e Terecô no Maranhão. Disponível em http://www.ufes.br/~cisoufes/gts/gt16.htm. Acesso em 05 jun. 2008. ITM MINING LIMITED. Cultura Lunda- Tchokwe. Disponível em http://www.culturalundatchokwe/. com/>. Acesso em 04 jul. 2008. LOPES, Manoel. A evolução dos cultos ameríndios – católicos - africanos e suas raízes. Disponível em http://www.mataverde.brasilpodcast.net/ler_materia.php?id2=7 Acesso em 08 out. 2007. MANUELA. Nações. Disponível em http://candomble.wordpress.com/tag/nacoes/. Acesso em 04 set. 2007. MULTIRIO. A Santidade. Disponível em http://www.multirio.rj.gov.br/historia/modulo01/santidade.html. Acesso em 19 nov. 2007. MULTIRIO. Ação dos Jesuítas: Catequese e Aldeamentos. Disponível em http://www.multirio.rj.gov.br/historia/modulo01/acao_jesuitas.html. Acesso em 19 nov. 2007. OXALÁ, Tateto Fernando de. Correspondência dos Orixás. Disponível em http://www.uniafro.com.br/omoloko.htm. Acesso em 02 jul. 2008. OXALÁ, Tateto Fernando de. Linhagem do Culto Omolocô. Disponível em http://www.uniafro.com.br/omoloko.htm. Acesso em 02 jul. 2008. PEREIRA, José A. Tonezzi. Ritual do Toré: a “ciência do índio” como identidade e resistência. Disponível em http://hemi.nyu.edu/course-rio/perfconq04/students/work/jose.htm. Acesso em 15 jan. 2008. PICORELLI, Lecy. Omolokô: Identidade de uma Religião Afro-Brasileiros. Disponível em http://www.fbu.com.br/fbu.html. Acesso em 04 set. 2007. PRANDI, Reginaldo, VALLADO, Armando, SOUZA, André Ricardo de, SOUZA, Patrícia Ricardo de. O Candomblé de Caboclo em São Paulo. Disponível em www.fflch.usp.br/sociologia/posgraduacao/jornadas/papers/pq01-5.doc. Acesso em 26 fev. 2008. PRANDI, Reginaldo. Herdeiras do Axé (Cap I: Deuses Africanos no Brasil.). Disponível em http://www.fflch.usp.br/sociologia/prandi/her-axe1.htm Acesso em 26 fev. 2008. PRANDI, Reginaldo. O Brasil com axé: candomblé e umbanda no mercado religioso. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ea/v18n52/a15v1852.pdf Acesso em 13 set. 2007. SILVA, Apolônio A. da. A Nação Omolokô. Disponível em http://www.uniafro.com.br/omoloko.htm. Acesso em 02 jul. 2008. TENDA ESPÍRITA CABOCLO COBRA VERDE. Almas e Angola. Disponível em http://www.uniafro.com.br/almas_e_angola.htm. Acesso em 23 jun. 2008. TRINDADE, Diamantino Fernandes. Umbanda, um ensaio de ecletismo. In: OLIVEIRA, José Henrique Motta de. Das macumbas à Umbanda: a construção de uma religião brasileira (1908-1941). Rio de Janeiro: Centro Universitário Moacyr Sreder Bastos, 2003, (p. 18). WIKIPEDIA. Batuque. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Batuque. Acesso em 01 abr. 2008. WIKIPEDIA. Candomblé bantu. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Candombl%-C3%A9_bantu. Acesso em 26 fev. 2008. WIKIPEDIA. Candomblé Jeje. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Candombl%C3%-A9_Jeje. Acesso em 31 mar. 2008. WIKIPEDIA. Candomblé. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Candombl%C3%A9. Acesso em 29 fev. 2008. WIKIPEDIA. Catimbó. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Catimb%C3%B3. Acesso em 04 jan. 2008. WIKIPEDIA. Omolokô. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Omolok%C3%B4. Acesso em 16 mai. 2008. WIKIPEDIA. Tabela Orixas-Voduns-Nkisis. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Tabela_Orixas-Voduns-Nkisis. Acesso em 26 fev. 2008. WIKIPEDIA. Tambor de Mina. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Tambor_de_Mina. Acesso em 05 jun. 2008. 18 WIKIPEDIA. Tupã. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Tup%C3%A3. Acesso em 27 out. 2007. WIKIPEDIA. Xambá. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Xamb%C3%A1. Acesso em 15 jan. 2008. WWW.CATIMBO.COM.BR. Catimbó. Disponível em http://www.catimbo.com.br. Acesso em 04 jan. 2008. WWW.XAMBA.COM.BR. Xambá. Disponível em http://www.xamba.com.br. Acesso em 15 jan. 2008. WWW.XANGOSOL.COM. Rituais da Nação Ijexá no Rio Grande do Sul. Disponível em http://www.xangosol.com. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Orixá de Frente – Orixá Adjunto – Orixá Ancestral – A natureza humana -

Firmeza e Assentamento (Umbanda)

Características dos filhos dos orixás, personalidade dos filhos de Oxalá, Yemanjá, Oxum, Ogum, Oxossi, Yansã, Xangô