A Demonização de Exu Dentro da Umbanda

A Demonização de Exu Dentro da Umbanda 

Por Alexandre Cumino 


Já é assunto conhecido a “Demonização de Exu” por parte da Cristandade Católica, que fez o mesmo processo com outras várias divindades consideradas pagãs, com destaque para aquelas que fogem do modelo racional/apolíneo, como Pã, Hermes e Dionísio (cultura grega), Fauno (Romano), Cernununos (Celta), Shiva (Hindu) e Aluvaiá, Elegbara, Exu (Afro). 

A Igreja construiu um demônio com “retalhos” e paramentos das divindades que tem seu culto na natureza. Até hoje herdamos preconceito decorrente deste fato, no entanto poucos sabem que de dentro da Umbanda também se produziu material colocando e comparando Exu com “diabo”, “demônios” e outras forças e conceitos negativos. 

Podemos dizer que Aluízio Fontenele, autor umbandista da década de 1950, tem uma parcela de responsabilidade pelo que podemos chamar de “Demonização de Exu” realizada dentro da Umbanda. 

Não sabemos a data exata de publicação de seus títulos, na capa dos três livros que tive acesso há uma foto do autor autografada com data de 1951, aparece também sua data de morte em 1952. Faço crer que as primeiras edições destes títulos ocorreram no final da década de 40 ou mais tardar logo em 1950, pois caso contrário não daria tempo de fazer comentário de um titulo já publicado no outro sendo editado, o que verificamos no título EXU ao qual temos acesso à sua segunda edição com data de 1954. 

Aluízio Fontenele tem uma postura dura e critica na sua forma de expressar a Umbanda. Apresenta influencias diversas com ênfase para hinduísmo, teosofia, cabala e alta magia europeia. Ressalta a existência de um aspecto esotérico, fechado e oculto, em todas as religiões, propondo a busca pelos “reais fundamentos” da Umbanda em seu aspecto esotérico. Apresenta as Sete Linhas de Umbanda e suas Legiões por meio do modelo criado por Lourenço Braga (Umbanda e Quimbanda, 1942). No entanto é justamente com relação a Exu que este autor irá inovar e tornar-se um dos escritores mais copiados e mal compreendidos na religião. 

A busca pela “Umbanda Esotérica e Iniciática” o levou, assim como a outros umbandistas, a buscar o “supra sumo” da religião em outras culturas. Aluízio Fontenele é o primeiro autor a comparar os Exus de Umbanda com os demônios da Goécia, “Magia Negra” europeia. 

Se por um lado ele teve intenção de elevar o padrão intelectual da religião, por outro deu inicio a uma “demonização” do Exu de dentro para fora, como se já não basta-se a externa. Ou seja atribuiu aos tão conhecidos nomes de Exus em suas populares falanges, nomes tão ou mais conhecidos na “Magia Negra”. Desta forma Aluízio Fontenelle foi o primeiro autor umbandista a relacionar os nomes de Exus de umbanda com nomes da “Magia Negativa” (Magia Negra) europeia. Foi copiado ou simplesmente serviu de inspiração para autores como Decelso, Antônio de Alva, José Maria Bittencourt, N. A. Molina e tantos outros autores posteriores a adotar este sincretismo entre Umbanda, Quimbanda e Goécia (“Magia Negra” – Magia Negativa). 

Claro que há contribuições positivas e negativas por parte de todos os autores, no entanto a partir do momento que identificamos Exus como “demônios” ou “pretensos demônios”, em seu sentido popular de ser, nós mesmos estamos dando lenha para aquecer a fogueira da discriminação e do preconceito. Suas tabelas e relação foi largamente usada pela “Quimbanda” brasileira. 

Vejamos algumas passagens do título de Aluízio Fontenele, EXU, (sd., Rio de Janeiro, Ed. Espiritualista): 

AO LEITOR 

Esta é mais uma obra espírita, baseada nos rituais que se praticam no culto das diversas modalidades do espiritismo, não só no que diz respeito às praticas da Magia, como também em tudo o que se faz, no tocante a evocação dos Gênios do Mal, que muitos que se dizem conhecedores , erram lamentavelmente. 

As entidades espirituais que dirigiram em grande parte a confecção deste trabalho, e que autorizaram a sua publicação e expansão através dos quatro pontos cardeais, pediram-me que torna-se público, deixando bem patente, a seguinte exortação: 

Por se tratar de uma obra que se define de um modo claro e insofismável toda a atuação das entidades do Mal que se denominam Exus, os quais são imprescindíveis em qualquer terreno espiritual através da existência humana, é necessário exortar a todos quantos deste livro pretenderem tomar conhecimento, que tenham bastante cuidado na apreciação da matéria que nele está encerrada , por motivos especiais, os quais, se não forem devidamente compreendidos, trarão certamente grandes prejuízos aqueles que inconscientemente usarem dos ensinamentos desta obra, que é um verdadeiro “Vade-mécum” sobre tudo quanto se pratica no que concerne à MAGIA NEGRA utilizada pelos EXUS. 

Quero ainda, desobrigar-me de toda e qualquer responsabilidade sobre a interpretação errônea das pessoas de pouco conhecimento do assunto, pretendem utilizar-se deste livro para a prática do mal... Cuidado com o POVO DE EXU, porque ele tanto serve para o bem, como serve para o mal. (grifo nosso)... 

“A Umbanda tem fundamento, e fundamento na Umbanda, tem mironga.” (pp.11-13) [...] a Umbanda nasceu da Quimbanda, isto é: a Umbanda foi criada pelo astral superior, a fim de combater a Quimbanda... A ENTIDADE MÁXIMA DO MAL. LÚCIFER O ANJO BELO A Entidade Máxima, denomina-se “MAIORAL”, tendo ainda outros denominativos, tais como: Lúcifer, Diabo, Satanás, Capeta, Tinhoso, etc., etc., sendo que nas Umbandas é mais conhecido com o nome de “EXU REI”. 

Apresenta-se como figura de altos conhecimentos, tratando-nos com uma grande elevação de sociabilidade prometendo-nos este mundo e o outro, exigindo tão somente que por nós, seja tratado por: MAJESTADE. Raramente vem a um terreiro, preferindo apenas aproximar-se dos lugares onde se professe altos estudos de MAGIA ASTRAL... [...] Tem o Maioral bem como as demais Entidades, o seu ponto ou pontos riscados, sendo que o principal é de origem ESOTÉRICA, o qual a seguir, divulgarei... 

Nesta obra de Aluízio Fontenele vamos encontrar uma Trindade que está acima de todas as demais entidades, o Maioral se manifesta em três pessoas: Lúcifer, Belzebuth e Aschtaroth, que são na sua opinião Exu Rei, Exu Mor e Exu Rei das Sete Encruzilhadas. 

Apenas para termos uma ideia das relações do nomes e sincretismo estabelecido por ele coloco abaixo alguns destes nomes a título de curiosidade e estudo, embora não concorde com a evocação dos mesmos, já que a cada nome da Goécia ou Magia Negra Européia está relacionada uma egrégora astral afim. 

Lúcifer tem como assistentes Put Satanakia (Exu Marabô) e Agalieraps (Exu mangueira). 

Belzebuth tem como assistentes Tarchimache (Exu Tranca Ruas) e Fleruty (Exu Tiriri). 

Aschtaroth tem como assistentes Sagathana (Exu Veludo) e Nesbiros (Exu dos Rios). 

Klepoth é o nome de “Exu Pomba Gira”, a mulher de 7 Exus. 

Syrach ou Exu Calunga comanda dezoito exus: Bechard – Exu dos Ventos Frimost – Exu Quebra Galho Klepoth – Exu Pomba Gira Khil – Exu das 7 Cachoeiras Merifild – Exu das Sete Cruzes Clistheret – Exu Tronqueira Silcharde – Exu das Sete Poeiras Ségal – Exu Gira Mundo Hicpasth – Exu das Matas Humots – Exu das Sete Pedras Frucissiére – Exu dos Cemitérios Guland – Exu Morcego Surgat – Exu das Sete Portas Morail – Exu da Sombra ou 7 Sombras Frutimière – Exu Tranca Tudo Claunech – Exu da Pedra Negra Musifin – Exu da Capa Preta Huictogaras – Exu Marabá Sobre as ordens de OMULU trabalham Sergulath (Exu Caveira) e Hael (Exu da Meia Noite). 

Sob o comando de Sergulath (Exu Caveira) trabalham mais 7 exus: Proculo – Exu Tatá Caveira Haristum – Exu Brasa Brulefer – Exu Pemba Pentagnoni – Exu Maré Sidragosum – Exu Carangola Minosum – Exu Arranca-toco Bucons – Exu Pagão Sob o comando de Hael (Exu da Meia Noite) trabalham mais 7 exus: Serguth – Exu Mirim Trimasael – Exu Pimenta Sustugriel – Exu Male Eleogap – Exu 7 Montanhas Damoston – Exu Ganga Tharithimas – Exu kaminaloá Nel Birith – Exu Quirombô 

Há ainda Aglasis (Exu Cheiroso) e Meramael (Exu Curado). 

Este é o sincretismo de Aluízio Fontenelle que influenciou alguns umbandistas e uma boa parte da Quimbanda brasileira. Esta é sem duvida um ponto de partida para uma demonização de Exu de dentro para fora que colocou e alimentou a fogueira da discriminação e pode ser usada até os dias de hoje para nos recriminar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Orixá de Frente – Orixá Adjunto – Orixá Ancestral – A natureza humana -

Firmeza e Assentamento (Umbanda)

Características dos filhos dos orixás, personalidade dos filhos de Oxalá, Yemanjá, Oxum, Ogum, Oxossi, Yansã, Xangô