Psicologia e Umbanda




Psicologia e Umbanda 

por José Antonio de Souza, Psicólogo e Dirigente Umbandista escrito para a Página do Leitor do Jornal de Umbanda Sagrada, numero 33, Janeiro de 2003 


Como psicólogo não posso deixar de perceber como a personalidade do médium vai sendo moldada com o desenvolvimento das incorporações, como sutilmente vai modificando o interno do médium com o decorrer do tempo. 

Muitos já me perguntaram por que na Umbanda não tem um trabalho de preparo íntimo para os médiuns, porque os dirigentes simplesmente desenvolvem os médiuns e não preparam seus íntimos. Penso que os dirigentes deveriam trabalhar o interior dos médiuns. 

Com raras exceções, na maioria dos terreiros não há uma preocupação em desenvolver um trabalho específico para a melhora do íntimo dos médiuns. Mas, ao refletir sobre o assunto, percebi que este trabalho é realizado de forma silenciosa pelos guias espirituais. A reforma íntima do médium acontece na incorporação e nos contatos com os guias. 

A possibilidade de trabalhar várias linhas diferentes permite ao médium a possibilidade de incorporar à personalidade o princípio do arquétipo que rege a linha. Assim, ao incorporar um preto-velho ou preta-velha, o médium vai desenvolvendo em si a paciência, a bondade, o carinho, a empatia, o amor, a compreensão ao outro. 

Ao incorporar um caboclo ou cabocla, o médium aprende a ordem, a disciplina, o ritual, a eficiência do trabalho, a priorizar o que é importante, a trabalhar com ervas, com os vegetais, com as pedras, a quebrar demandas, sempre sem falar muito, somente o necessário, sem querer aparecer, trazendo uma força grande em si, aprende a conhecer o seu próprio poder, a força que possui. 

Os baianos trazem a descontração, o aprendizado de como trabalhar as adversidades, a alegria, a flexibilidade, a magia, a brincadeira sadia, assim médiuns que são introspectivos, quando incorporado seu baiano ou sua baiana, soltam-se liberando sua alegria interna, a descontração. 

Outros já são descontraídos por natureza, e desenvolvem outras qualidades junto com seu baiano, como a flexibilidade diante das situações, como amparar o irmão com alegria, trazer a alegria para o próximo, transmutando a tristeza do outro transmitindo alegria e esperança. E muitas outras coisas aprendemos com os baianos. Descubra o que o seu baiano está aprimorando em você. 

Os ciganos também aprimoram seus médiuns, trazendo a suavidade, a beleza, o encantamento, o envolvimento, a intuição, a paixão pela vida, pelo belo, pela música e a cura. 

Os marinheiros permitem aos médiuns desenvolverem o equilíbrio emocional, entrar em contato com as emoções mais íntimas desbloqueando e liberando os excessos, os vícios. Desenvolvendo no médium a capacidade de sentir as dores dos outros e com isso aprimorando as relações com o seu irmão. 

Os boiadeiros trazem para o médium a força necessária para caminhar no mundo, para lidar com as adversidades da vida, fortalecendo-o diante do mundo, mostrando que a luta sincera, o bom combate leva à luz. 

A linha do grande oriente, onde incorporam guias orientais, hindus, muçulmanos, chineses entre outros, estimulam no médium o caminho da evolução espiritual através dos estudos, da meditação, do conhecimento das leis divinas, do amor, da verdade, da ciência, da arte, do belo. Estimulando o médium no caminho da ascensão espiritual, fazendo-o eliminar da sua vida tudo que é pernicioso à sua ascensão. 

Exu e Pomba-gira trazem à tona a sombra do médium, aquilo que necessita ser trabalhado e está escondido no seu ser. O trabalho de autoconhecimento pode e deve ser desenvolvido dentro do terreiro, permitindo a todos que frequentam ferramentas que possibilitariam um aprimoramento de si mesmo. 

Converse com seu dirigente e veja a possibilidade de criar grupos de autoconhecimento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Características dos filhos dos orixás, personalidade dos filhos de Oxalá, Yemanjá, Oxum, Ogum, Oxossi, Yansã, Xangô

Orixá de Frente – Orixá Adjunto – Orixá Ancestral – A natureza humana -

Firmeza e Assentamento (Umbanda)